Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Um convite a leitura

29/10/2007

Estou iniciando hoje, aqui, através da internet, o que posso chamar de uma nova relação com meus leitores, dos que gostam e dos que não gostam do que escrevo.

 

Este é meu primeiro comentário através da internet que, diariamente, será seguido por outros, de maneira ininterrupta, levando aos que tiverem a curiosidade de acessar o meu site, encontrar minhas opiniões, as mais sinceras, sobre os assuntos mais relevantes da atualidade, doa a quem doer, como sempre o fiz, buscando, acima de tudo, defender os interesses maiores da coletividade brasileira, notadamente dos mais oprimidos.

 

Meu comportamento, através dos comentários que faço semanalmente em A GAZETA, será sempre o mesmo. Sou, por tradição e por circunstância da minha formação, um adepto do direito, das liberdades individuais, da democracia, não dessa democracia que esse pessoal da esquerda petista insinua que defende, quando na verdade essa parcela de aventureiros defende um socialismo idiota, que tira a liberdade de todos nós.

 

Quero fazer tudo, mas tudo mesmo, para caminhar até o fim dos meus dias como jornalista independente, livre, absolutamente correto com tudo que faço, quer como jornalista, homem de empresa, chefe de família, brasileiro convicto de suas responsabilidades; serei firmemente honrado para dizer o que for verdadeiro, mesmo que seja contra minha pessoa.

 

Quero, entretanto, dizer que, acima dos meus interesses pessoais, estarão sempre os do meu Estado, do Brasil.

 

Sou por questões eminentemente de princípios pessoais contrário a esse tipo de regime que o Brasil ostenta, sob a chefia do professor Lula. Ponderável parcela da sociedade, principalmente aquela alimentada pelo Bolsa Família, está embevecida com as presepadas desse boquirroto fantasiado de presidente da República. O tempo vai dizer o quanto a Nação perdeu, elegendo esse esperto por duas vezes consecutivas. Uma, seria o bastante, para conhecer esse sabido e seu time de espertos, mas a sociedade que vota em Lula é igual a ele, tem os mesmos princípios, a mesma capacidade de raciocínio burro, sem objetivos, sem futuro, sem grandeza!

 

O que esta acontecendo com o Brasil será irrecuperável pelo espaço de 25 anos ou mais. Não tem preço o prejuízo que o país esta sofrendo com esse entrave ao seu desenvolvimento. Essa história de PAC, que esta sendo lançado como uma falácia no campo do desenvolvimento, faz parte de uma engrenagem mentirosa para enganar essa massa jovem que tanto aspira por oportunidades.

 

Um país com 38 ministérios e igual número de siglas partidárias, numa das mais vergonhosas distribuições de empregos públicos do mundo, não passa de uma nação infeliz, incapaz de se organizar, de estimular a geração com novas oportunidades, pela letargia que o emprego público  transmite ao cidadão, que se sente desestimulado, ganhando para não fazer nada...

 

É contra esse tipo de oportunismo governamental, essa falta de competência, que sempre me insurgirei, buscando mostrar à sociedade que ela pode ser independente, se buscar a educação, o trabalho produtivo, a coragem de dizer não a esse bando de trapalhões.

 

É preciso não ter medo, lutar pelo direito, repelir as ameças com coragem e determinação, dentro daquele processo: olho por olho; dente por dente...


Imprimir | Enviar para um amigo

Sem informaes.

28/02/2021

 

Diz velho adágio, que o homem fez a panela, o diabo, a tampa. Esperto, o diabo não queria saber da fuga do aprisionado.

 

No tempo que eu andava por aí zanzando, na condição de jornalista da área política do jornal A GAZETA, fui familiarizado, com largos conhecimentos, com os chamados de esquerda.

 

Tinha um boteco próximo ao novo prédio do jornal, onde se reuniam os jornalistas de A GAZETA e, o velho companheiro Paulo Maia, de saudosa memória, com Jackson Lima e Selmir Miranda me arrastavam, no final da noite para aquele “antro”, com o objetivo de tomar uma cerveja e catequizar os “ossos duros de roer” como eu e o Paulo Maia, até que numa dessas noites o Jackson Lima, que considerava um dos mais lúcidos jornalistas que já conheci, saiu-se com esta: “Olha seus putos, se vocês pensam que estão conquistando o Uchôa com suas baboseiras socialistas de botequim, percam as esperanças. Ninguém dobra esse cara”, e batia a mão no meu ombro.

 

Por interesse ou conveniência eu sabia o que falar perto de certos jornalistas, dos necessitados por favores do governo, pelos famintos e por notórios idiotas sem possibilidade de sobrevivência no nível em que se encontravam, dependendo de órgãos públicos.

 

Léo Siqueira, renomado médico pediatra, um amigo de juventude, neto do desembargador João Manoel de Carvalho, um dos grandes amigos do meu pai, queria falar comigo urgente: “Pôs venha Léo !” Falei com ele ao telefone. Léo chegou meio ofegante: “Um amigo me contou que o Sinemar – Serviço de Informações da Marinha vai te prender. Falaram uma porção de besteira a seu respeito”. Ri um bocado com o Léo e ele ficou meio bestificado com minhas risadas tranquilas e arrematou “Você está rindo? É verdade...”

 

- Léo, quem te contou essa história idiota não foram fulano e beltrano? ” – Então, você já sabia? Como você soube?  Leo, eles que se cuidem. Obrigado pelas suas preocupações”.

 

Tem deveres de oficio que você vai morrer com eles. Delator é para bandido, sem caráter, sem dignidade.

 

Eu tinha um grande amigo na chefia do Sinemar , Burns, que me dava um conselho: “Ria por dentro e, por fora, mantenha um ar de indignação e surpresa”. Nunca me esqueci daquele velho amigo, que morreu mais cedo do que deveria.

 

Teve um episódio no governo do sr. Christiano Dias Lopes Filho, que eu o avisei na antevéspera do ocorrido, e ele, o governador, me chamou domingo à noite, no Palácio Anchieta, para me relatar o seguinte: “Sexta feira, à noite, você mandou que me prevenisse que estava para acontecer tal fato. Aconteceu, faz pouco, às 18horas. Como você sabe dessas coisas e eu o governador não sei? “

 

- Christiano, as pessoas me contam em segredo e, quando lhe contei, você disse que era fofoca, não merecia consideração. “Meu negócio, governador, é que eu gosto muito de ouvir e tirar minhas deduções. Quem me contou é da minha confiança.”

 

A impressão que tenho é que o Sinemar acabou, o SNI, por interesses dos governos que sucederam o presidente Figueiredo avacalharam tudo e o nosso “amigo” Bolsonaro parece, os serviços de informações atuais não mostraram a ele os ninhos de ratos que ainda existem no governo, como o recente caso da Petrobras e até em certos gabinetes dessa formidável República. Pobre Bolsonaro!

 

Agora, o governo quer privatizar os Correios. Quem quer comprar o primeiro ninho de ratos do PT.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo



2479 2478 2477 2476 2475 2474 2473 2472 2471 2470   Anteriores »