Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Um convite a leitura

29/10/2007

Estou iniciando hoje, aqui, através da internet, o que posso chamar de uma nova relação com meus leitores, dos que gostam e dos que não gostam do que escrevo.

 

Este é meu primeiro comentário através da internet que, diariamente, será seguido por outros, de maneira ininterrupta, levando aos que tiverem a curiosidade de acessar o meu site, encontrar minhas opiniões, as mais sinceras, sobre os assuntos mais relevantes da atualidade, doa a quem doer, como sempre o fiz, buscando, acima de tudo, defender os interesses maiores da coletividade brasileira, notadamente dos mais oprimidos.

 

Meu comportamento, através dos comentários que faço semanalmente em A GAZETA, será sempre o mesmo. Sou, por tradição e por circunstância da minha formação, um adepto do direito, das liberdades individuais, da democracia, não dessa democracia que esse pessoal da esquerda petista insinua que defende, quando na verdade essa parcela de aventureiros defende um socialismo idiota, que tira a liberdade de todos nós.

 

Quero fazer tudo, mas tudo mesmo, para caminhar até o fim dos meus dias como jornalista independente, livre, absolutamente correto com tudo que faço, quer como jornalista, homem de empresa, chefe de família, brasileiro convicto de suas responsabilidades; serei firmemente honrado para dizer o que for verdadeiro, mesmo que seja contra minha pessoa.

 

Quero, entretanto, dizer que, acima dos meus interesses pessoais, estarão sempre os do meu Estado, do Brasil.

 

Sou por questões eminentemente de princípios pessoais contrário a esse tipo de “regime” que o Brasil ostenta, sob a chefia do “professor” Lula. Ponderável parcela da sociedade, principalmente aquela alimentada pelo Bolsa Família, está embevecida com as presepadas desse boquirroto fantasiado de presidente da República. O tempo vai dizer o quanto a Nação perdeu, elegendo esse esperto por duas vezes consecutivas. Uma, seria o bastante, para conhecer esse sabido e seu time de espertos, mas a sociedade que vota em Lula é igual a ele, tem os mesmos princípios, a mesma capacidade de raciocínio burro, sem objetivos, sem futuro, sem grandeza!

 

O que esta acontecendo com o Brasil será irrecuperável pelo espaço de 25 anos ou mais. Não tem preço o prejuízo que o país esta sofrendo com esse entrave ao seu desenvolvimento. Essa história de PAC, que esta sendo lançado como uma falácia no campo do desenvolvimento, faz parte de uma engrenagem mentirosa para enganar essa massa jovem que tanto aspira por oportunidades.

 

Um país com 38 ministérios e igual número de siglas partidárias, numa das mais vergonhosas distribuições de empregos públicos do mundo, não passa de uma nação infeliz, incapaz de se organizar, de estimular a geração com novas oportunidades, pela letargia que o emprego público  transmite ao cidadão, que se sente desestimulado, ganhando para não fazer nada...

 

É contra esse tipo de oportunismo governamental, essa falta de competência, que sempre me insurgirei, buscando mostrar à sociedade que ela pode ser independente, se buscar a educação, o trabalho produtivo, a coragem de dizer não a esse bando de trapalhões.

 

É preciso não ter medo, lutar pelo direito, repelir as ameças com coragem e determinação, dentro daquele processo: olho por olho; dente por dente...


Imprimir | Enviar para um amigo

Uso e abuso das pesquisas.

30/10/2020

 

Assistimos, em fatos políticos recentes, quando da eleição do presidente Jair Messias Bolsonaro, o mais vergonhoso processo de desmoralização dos chamados “Institutos de Pesquisas de Opinião Públicas”, contrariando também as opiniões dos chamados maiores políticos brasileiros, que diziam da impossibilidade do eleito, se eleger e, arremataram, poderia até perder a eleição, se candidato fosse contra ele próprio, único. Ninguém votaria nele.

 

Nada contra o trabalho de quem quer que seja, até mesmo das prostitutas, que ganham dinheiro de forma mais honesta do que aqueles que pregam mentiras ao sabor das formas mais imorais de subverter a verdade.

 

Trabalhei, algum tempo, para um sociólogo demasiadamente probo, inteligente, honesto que, quando da realização do levantamento socioeconômico das necessidades do Estado do Espírito Santo, ele disse para a equipe que formou: “Apurem a verdade, o pensamento da maioria. Não torçam nunca a verdade dos fatos apurados. Não coloquem em dúvida nosso trabalho”. Essa personalidade, que infelizmente morreu há uns dois anos, era o sociólogo Artur Rios.

 

O brasileiro tem uma memória muito curta. Raros se recordam no jantar o que comeram no almoço. A eleição de Jair Messias Bolsonaro desmoralizou TODOS órgãos de pesquisa contratados pelos candidatos endinheirados, para pregarem mentiras, para tentarem, através de subterfúgios, da inversão da verdade, para eleger ou reeleger alguns patifes que povoam a política nacional.

 

Me considero um sujeito determinado, sei ganhar e sei perder, mas não gosto de ser enganado e muito menos enganar. Pressinto, vamos assistir mais uma vez institutos de pesquisas serem desmoralizados, pelas informações que estão sendo divulgadas com objetivo de sub-repticiamente, levar o eleitor a votar sem querer nos piores, através do manuseio, a poder do dinheiro, das informações falsas que, no meu modesto entender, jamais poderão se tornarem reais, a não ser a poder de muito dinheiro, de torcer os votos “depositados” nas urnas eletrônicas de votação.

 

Nas eleições municipais anteriores, que davam, por exemplo a vitória a Luiz Paulo Velloso Lucas para prefeito de Vitória, com 8 pontos percentuais sobre o candidato Luciano Rezende, apostei e ganhei que o eleito jamais poderia ser o candidato Luiz Paulo Vellozo Lucas. O senhor Luciano Rezende esqueceu, não sei se por conveniência, desse episódio que lhe foi favorável e que disse a ele como funcionava.

 

Vem à memória a figura do respeitável político Carlos Fernando Monteiro Lindenberg: “Munheca de magistrado, pata de cavalo e urna, ninguém adivinha o que pode acontecer”.

 

Acho, é preciso, que ocorra, para o bem ou para o mal, uma significativa mudança na composição do quadro político municipal, promovendo o desaparecimento de velhadas lideranças, mesmo que empurrados pelas mais sórdidas mentiras das pesquisas.

 

Amém.... Aguardemos o resultado das urnas de 15 de novembro. Parece que o Brasil vai agradecer a mudança que o eleitorado promete fazer. Na moita...

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo



2419 2418 2417 2416 2415 2414 2413 2412 2411 2410   Anteriores »