Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Estados diferentes

06/12/2017

NOTA– Você vai ler um comentário independente, sem enganos, sem mentiras. Se Você entender que não deva prosseguir com sua leitura, delete-o. Nunca suporte o que não gosta. Se não ler, vai perder a oportunidade de conhecer a verdade.


Em viagem recente à Suíça, mais pelo meio rural do que urbano, me impressionou a segurança das rodovias, ferrovias, de todos espaços daqueles cantões, onde existe sempre uma coisa que nos deixa extasiado, pela beleza natural, pelo trato que as pessoas dão aos lugares e a receptividade aliada à hospitalidade dos moradores.

O problema da Suíça, como da Alemanha é a educação de seus povos, o trato que dão à natureza, com a mais absoluta segurança, com suas ruas sem pedintes, sem crianças, e velhos abandonados, onde todo mundo está fazendo alguma coisa.

A GAZETA, na última terça-feira, 28, informava em sua manchete que o governo do Estado vai gastar 18 milhões, em virtude da determinação da Justiça para que sejam internados 853 viciados, que andam pelas ruas da Grande Vitória.

Está certa a Justiça. É uma tragédia e o Estado tem que assumir sua responsabilidade.

Em fevereiro o Estado do Espírito Santo foi sacudido com a informação de que a Polícia Militar entrara em greve, sob o comando das mulheres dos militares que fecharam os portões dos quarteis. O resultado dessa façanha toda foi que morreram, por tiro, 219 pessoas, a maioria na região da Grande Vitória.

Sempre encontram meios e modos de se burlar a vigilância da própria Justiça. Quem matou 219 pessoas durante a greve da Polícia Militar?

Calculo que os mortos eram pessoas sem necessidade de continuarem vivas, mas quem tem a coragem de matar pessoas de forma tão estúpida?

Vez por outra tenho que socorrer pessoas necessitadas que precisam de um internamento urgente, um acidente ou uma operação repentina e não encontram um lugar sequer no desvão dos corredores dos hospitais mas, estranho, como o poder público emprega! Por que tamanho exagero, para empilhar servidores inúteis em repartições públicas? Por que não tratam dessa gente necessitada sem precisar a intervenção da Justiça?

Falta a sociedade esperanças de dias melhores. Não ser como vamos reeleger gente tão ordinária.

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo