Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Tragédias sucessivas

06/05/2018

 

A incapacidade administrativa de prefeitos de diversos cidades tem provocado desastres como o desabamento recente de um prédio com 24 pavimentos em São Paulo, invadido, onde moravam 150 famílias. O prédio em questão, projetado pelo premiado arquiteto Roger Zmekhol, pertencia à União, já foi sede da Polícia Federal e estava cedido à prefeitura. Sua ocupação era feita pelo LMD (Luta por Moradia Digna).

O desabamento em questão, onde supostamente residiam 400 pessoas, causou pânico e mostrou até que ponto as chamadas autoridades municipais, brincam em serviços...

Pelo Brasil a coisa se repete, até aqui na Ilha de Vitória tem vários prédios públicos, doados ou adquiridos por prefeituras que não sabem o que fazer com os imóveis.

Alguns administradores, mais afoitos, pedem à União seus imóveis para transformá-los em residências populares; outros até adquirem tais imóveis na chamada bacia das almas com os mesmos objetivos sociais, mas reforma mesmo não sai nunca.

Que faziam 400 moradores no prédio que desabou no centro de São Paulo, com 24 andares de vidro de cristal, destruído da noite para o dia, apenas por irresponsabilidades dos administradores públicos que não repararam que o imóvel em questão tinha um “síndico” aventureiro que, por conta própria comandou a invasão e cobrava aluguel das famílias que ali fizeram suas moradias. Ainda não se sabe o número de mortos, nem como o fogo começou, apenas que houve uma explosão e o fogo se espalhou consumindo todos os andares, desabando.

Ou é muita coragem, muita necessidade ou esses ocupantes de prédios sem muita vigilância são realmente audaciosos, exploram os sentimentos de pessoas necessitadas, sem qualquer amparo social e disposta a sobreviver de qualquer maneira.

A sucessão de invasões ocorrem todos os dias, há uma indústria de pessoas sem um mínimo de escrúpulos que vive disso. Por que o “administrador”, síndico, seja lá o que for, do prédio que desabou fugiu, desapareceu, não ficou para prestar contas as autoridades pelos danos que seus inquilinos causaram a cidade?

Esses tadinhos que vão para a cidade grande em busca de aventura, morar debaixo da ponte ou em favelas, até mesmo em prédios abandonados, mostra a incapacidade gerencial dos nossos administradores de recursos públicos. Já pensaram se essa gente tivesse juízo, como seria o Brasil?

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo