Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Tragédias brasileiras

09/05/2018

 

Numa avaliação muito singela, para o momento, precisamos avaliar que país queremos. Pessoalmente, estou perplexo com a violência, o estado de perplexidade da sociedade diante dos fatos mais absurdos, que se chocam com a fragilidade ou incapacidade de julgamento do poder Judiciário.

Caminha aos empurrões, mercê da chicana dos “esclarecidos” advogados e tibieza dos magistrados, os processos judiciais. Espanta-nos, por exemplo que o Brasil desponte no mundo como campeão da imoralidade pública onde, exagerando um pouco o exemplo, a classe politica deveria estar atrás das grades, em companhia de alguns julgadores dos elevados interesses públicos.

Crimes hediondos, pai matando filhos, filhos matando país, impressionantes chacinas praticadas por paramilitares ou militares de outras formações, o sistema policial militar fazendo greve, onde morrem 219 pessoas sem que apareçam responsáveis, chacinas diárias e, estranho, a impunidade campeia.

Recente, no município de Linhares, no Espírito Santo, ocorreu a morte de dois irmãos: Joaquim, com 3 anos e Kauã, com 6, carbonizados, num incêndio misterioso, quando dormiam em sua casa, onde seu pai, George Alves, um pastor de igreja nova ainda não “reconhecida”, dormia ao lado e não sabe dizer como a tragédia ocorreu. Sua esposa, mães dos menores, estava em Teófilo Otoni, Minas Gerais, num congresso de mulheres. Que vida!

Essas sucessões de fatos, de abuso de poder, de desqualificação de autoridades envolvidas em corrupção, tudo isso está provocando um estado de degradação moral, um estado de deliquescência intolerável e que precisa ter um padeiro.

A prisão do ex-presidente Lula, num dos julgamentos mais limpos, mais isentos e de uma veracidade irretorquível é contestada por um bando de alucinados, como se o ex-presidente, criminoso, fosse um preso político e não um político preso.

A Folha de São Paulo, um dos maiores jornais do país, que não se sabe de que lado joga, na realidade, na sua edição do dia 02 de abril trouxe entrevista com o linguista americano, reconhecidamente de esquerda, Noam Chomsky,  que diz no tópico inicial: “O rigor da punição, além da rejeição do pedido de habeas corpus, vai muito além do crime alegado, e essa punição só pode ser interpretada como parte de um ataque generalizado das classes privilegiadas contra tudo o que o governo Lula representou. Na realidade Lula está sendo punido pelas políticas reformistas que deram apoio muito necessário à massa da população que é reprimida. ”

Não é preciso ir muito além na entrevista do sr. Chomisky para se ter uma ideia de como ele é tendencioso, ignorante com relação aos problemas brasileiros. Lula foi uma desgraça, uma tragédia para o Brasil e seu povo. Não existe dinheiro que possa pagar o prejuízo que as quadrilhas chefiadas pelo seu governo deram ao país. O sr. Noam Chomsky deve fazer parte dessa gente que o mundo precisa se livrar dela.

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo