Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Vendedora de mariola.

19/06/2018

 

Me causa constrangimento assistir malabaristas de rua atirando para o alto facões, bolas, instrumentos diversos, com o intuito de colher alguns trocados de motoristas parados em sinais, por períodos de até 68 segundos.

 

Outro dia, pouco mais de meio dia, indo para o almoço, num sinal da av. Leitão da Silva, saindo na Beira Mar, uma jovem perguntou se eu podia ajudá-la, comprando mariolas. “Quanta custa”? – “Um real”, aquiesceu. Respondi: me dê cinco.


 - Por que você vende mariolas?

 
- Para pagar meus estudos!


- Veja meu nome. Você me encontra nesse endereço. Se você quiser estudar, eu ajudo a pagar seus estudos. Pode me procurar.


O Estado, o país, sofre uma das maiores crises econômicas de sua história. Só o Espírito Santo tem mais de 400 mil desempregados, sem esperanças de conseguir emprego, daí a nossa vendedora de mariolas, para pagar seus estudos, nos sinais vendendo seu produto.


É de cortar o coração a situação de muitas pessoas que, sem alternativas, se desesperam, enquanto a nação assiste, numa sequência desesperada, a avalanche de corrupção que desafia tudo, devido o número impressionante de envolvidos nos mais escabrosos episódios de malversação de recursos públicos, sem qualquer perspectiva de estancamento da sangria...


Milhares de jovens, não estudam e nem trabalham, se viciam, passam a delinquir pela necessidade de sobrevivência, sendo considerados uns “santos”, pela família, quando surgem mortos nas sarjetas.


Será que prefeituras, o Estado, não possuem um serviço social de atendimento a essa gente sem esperanças de um futuro melhor?


Ainda temos pessoas corajosas, decentes, que vão às ruas vender mariolas, com objetivo de ganhar dinheiro para pagar seus estudos. Qual a dificuldade de um município, que tem a faculdade de extorquir a população com uma absurda carga tributária e não ter um serviço social decente, para dar um encaminhamento digno, a quem realmente está precisando de apoio para estudar?


Me espanta, ver pessoas válidas dormindo debaixo de árvores pelos jardins e marquises da cidade. Os bandos de pessoas viciadas, ao relento nos dá uma triste certeza, a classe dirigente não tem escrúpulos, não sabe administrar, quer se reeleger, mudar de partido, buscar novas oportunidades, como uma espécie de mania sem fim. Diante da brutal crise, o que nos aguarda o futuro?

 

 

FONTE: JORNAL A GAZETA

 


Imprimir | Enviar para um amigo