Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



História sem fim...

07/08/2018

 

O que é razoavelmente decente no Brasil? Nada. Mas nada mesmo? Nada mesmo.

 

Como sou ateu, devidamente registrado, não tenho para quem apelar para que salve o Brasil desse processo imoral, perverso, que enfrentamos, com as trapalhadas da justiça, das camadas políticas e da chamada burrice de grande parcela da sociedade. As estatísticas oficiais dizem que o Brasil detém 72% de sua população como analfabetos funcionais. Sabem ler, mas não sabem transmitir o que leram.

 

Na sua edição de 2 de julho último o Estado de São Paulo, o mais importante jornal do país, numa reportagem sobre energia, informou na sua página de economia e negócios que “o governo Federal assumiu as distribuidoras de energia de forma temporária em 1977, com o compromisso de vende-las em leilão de privatização, marcado para o dia 26 de julho em curso, mas pendências na Justiça e no Congresso podem adiar os planos da União.

Em 20 anos, as subsidiárias da Eletrobrás acumulam prejuízos de R$ 22 bilhões. Há duas semanas atrás o ministro do Supremo Tribunal de Justiça, Ricardo Lewandowski retirou a distribuidora de Alagoas (Ceal ) da disputa até que o Estado e governo Federal se entendam sobre o ressarcimento que o governo Estadual diz ter direito de receber. No Congresso, ainda é preciso votar o projeto de lei que resolve pendências das distribuidoras no Norte, principalmente a Amazonas Energia.

 

O Brasil tem o custo de energia mais caro do mundo. Nenhum país que deseja se desenvolver podem bancar um preço de energia equivalente ao vendido no Brasil. Para se ter uma ideia, o Estado do Espírito Santo tem a energia mais cara do mundo (como no todo, o Brasil) e em Colatina se situa a energia mais cara do Brasil...

 

O governo (todos eles) não pode ser dono de bancos, energia, fábricas diversas, simplesmente porque ele é incompetente para administrar empresas.

 

Um dos processos que inibem o desenvolvimento do Estado é o custo exorbitante da energia. Tudo no Brasil custa o dobro do valor dos produtos iguais ou semelhantes dos outros países. O sistema bancário oficial brasileiro é um negócio imoral. Quem vai solucionar essa questão? Por que esse amontoado de ladrões dentro da Petrobras, quase levando-a à extinção?

 

Não tem um canto, um negócio que se salve da fome desesperada dos que estão no poder para usurpar seus frutos.


O Brasil, tem os negócios mais absurdos do mundo, como os cartórios, o sistema bancário oficial, a intromissão nos negócios econômicos, que permitem uma ladroeira sem fim.


Quem vai dar jeito no Brasil?

 

 

FONTE: JORNAL A GAZETA


Imprimir | Enviar para um amigo