Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Limpando o nome.

12/11/2018

 

Recente, o candidato postulante à presidência da República, o cearense Ciro Gomes fez promessa de tirar do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) 66 milhões de pessoas inadimplentes com suas compras em empresas comerciais. O candidato saiu com uma porção de explicações bobas, como iria financiar caloteiros que não pagam suas contas em dia. Negócio de maluco...

 

Estamos realmente no país da piada pronta. Como pode, surgir do nada, um candidato à presidência da República prometendo saldar dívidas de caloteiros? Para felicidade do Brasil o sr. Ciro Gomes não se elegeu e, pelo que imagino, não se elegerá jamais a coisíssima alguma, nem a coveiro de cemitério de sua cidade...

 

Agora, aqui em Vitória, está anunciado um “Feirão das CDLs”, de 4 a 8 de dezembro, com a participação de bancos e lojas, que vão atender 15mil devedores, chamados de “clientes”.

 

Há 50 anos, em companhia de Humberto de Freitas Cossatti, gerente da antiga Mesbla, criamos o CDL  de Vitória e, depois, outros pelo interior, com o apoio do velho amigo, Curuminas Ruiz, argentino, que era o presidente da Mesbla, no Brasil.

 

Os CDLs prosperaram e se tornaram grandes organizações,  com seus SPCs (Serviço de Proteção ao Crédito). Confesso, não sei como pode promover-se um mutirão para abater dívidas de clientes que não honram seus créditos, suas assinaturas. O crédito deve ser uma questão de honra e não um instrumento de negociação com desonrados.

 

Certa feita, por circunstância de amizade, avalizei para um amigo uma quantia razoável. A empresa dele faliu e tive que vender coisas para ajudar a saldar uma parte. Com o tempo, ele me ressarciu, mas aprendi uma lição: nunca mais avalizei para ninguém.

 

O brasileiro não gosta de pagar contas inerentes às suas responsabilidades. Tem famílias de posse, que não pagam o colégio dos filhos, a água e a luz que consomem, fazem “gato”! Depois vai para o “mutirão”, para quitar a dívida, limpar o nome, para sujá-lo novamente?

 

Não sei se os tempos estão mudados ou quem ficou parado no tempo foi eu! Não gosto de bancos. Meu pai dizia que gerentes de bancos e delegados de polícia são muitos semelhantes, Um,  cobra até o que você não deve e, o outro, prende você, as vezes sem motivos.

 

Não sou um amante dos Estados Unidos. Não estou entre os brasileiros doidos por morar lá, viver fazendo compras, mas admiro como os americanos respeitam as leis. O voto nos Estados Unidos não é obrigatório. Você vota em casa e pode mandar seu voto antecipado ao dia das eleições pelos Correios. Mas presta atenção: não vote duas vezes. Quem age assim, vai preso.

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo