Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



A verdade que cala.

07/02/2019

 

Quando eclodiu a greve dos caminhoneiros o então presidente Temer declarou “O povo não merece pagar pela greve dos caminhoneiros”.

 

Lá de Rondônia, o caminhoneiro Rangel, que ficou conhecido naquela oportunidade, pela sua inteiração nas redes sociais, saiu com as seguintes observações, sobre o pagamento da conta, pelo trabalhador brasileiro:

 

Texto do Rangel:

Você estudou História do Brasil?

 

Aqui é Rangel de Rondônia, trabalho com a comunidade madeireira em Rondônia

.

Eu estava observando aqui que o Presidente da República falou.

 

Nosso presidente, ele disse que o povo não merece pagar a conta da greve dos caminhoneiros.

 

Ele teve coragem de dizer isso.

 

Tenho uma coisa para falar com o Senhor Presidente do Brasil.

 

Eu pago a conta da corrupção.

 

Eu pago a conta da incompetência.

 

Eu pago a conta do jatinho que nunca vou usar.

 

Eu pago a conta da violência.

 

Eu pago a conta do desperdício.

 

Eu pago a conta da malandragem.

 

Eu pago IOF, IPI, CIDE, FAPES equivalente ao INSS e o ICMS, IPVA, IPTU, ITBI.

 

Eu pago plano de saúde porque o SUS não dá conta.

 

E pago o SUS também.

 

Eu pago para andar de carro que eu já paguei.

 

Eu pago para estacionar.

 

Eu pago para morar numa casa que já é minha.

 

Eu pago folha de ofício, lápis e borracha para os meus alunos.

 

Eu pago pedágio e olha que eu pago o documento do meu carro.

 

Eu pago para comprar.

 

Eu pago para vender.

 

E pago para comer, beber e vestir.

 

Eu pago por água, luz, gás.

 

Eu pago para me aposentar e não tenho FGTS.

 

Eu pago um absurdo por remédios.

 

Acho que vivo para pagar conta.

 

Pago meus débitos.

 

Pago meus erros, pago pelos meus acertos.

 

Pago pela ignorância.

 

Pago pelas consequências de viver num país alicerçado moralmente.

 

Por falta desse alicerce moral, de levar vantagem em tudo.

 

E se eu morrer alguém vai ter que pagar caro para que eu descanse em paz.

 

Então meu amigo caminhoneiro toca-lhe pau, que a gente vai pagar a sua conta.

 

 

Rangel, de Rondônia “

 


Imprimir | Enviar para um amigo