Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Pressão imoral

08/03/2019

 

Desde a campanha de Jair Messias Bolsonaro à presidência da República, se instalou, um processo de achincalhamento, de desmonte moral de sua pessoa, dando-o como doido, nazista, fascista, racista, tudo que de pejorativo encontraram pela frente para colocá-lo contra a opinião pública, como se fosse o demônio, em figura de gente.

Jair Bolsonaro foi eleito sem qualquer apoio da mídia tradicional e de partidos dos mais variados matizes e, prometendo, desmontar tudo que vem emperrando o desenvolvimento econômico e social da nação.

Em pela campanha, desferiram-lhe uma facada e, para neutralizar qualquer ação, o noticiário é farto em afirmar que seu quase assassino foi “enviado por Deus”, ou que é um maluco. Às custas de quem?

Resistindo ao ataque quase mortal, Bolsonaro, sem poder fazer campanha política, por estar preso ao leito hospitalar, viu a mídia massacrá-lo, sem dó nem piedade.

Nada mais imoral do que o sistema de novela transmitido pela Globo, que detinha um poder absoluto de recursos públicos. Bolsonaro cortou de todo mundo e mandou para o espaço uma imoral Lei Roanet, que protegia gente ordinária do meio artístico, para proteger o regime de esquerda sob o comando de Lula, que quase destruiu o Brasil.

Agora, o problema da imprensa com Bolsonaro são as imoralidades públicas do carnaval, que também perdeu financiamento público, através de empresa estatais, bancos etc.

Com determinação, Bolsonaro tem enfrentado toda essa corja que o atormenta, não se sabe bem a que pretexto, mas nitidamente todos sabem, que são as verbas públicas esbanjadas pelas empresas estatais, em detrimento de 12 milhões de desempregados, alimentados pelo “pão e circo” do sistema de televisão, capitaneado pela Globo.

Vejam as cenas dos carnavais de Vitória, Bahia, Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, para ver se Bolsonaro está certo ou errado.

O carnaval não tem nada de participação de maioria. É uma minoria nacional, mais depravados sexuais do que carnavalescos. Se colocado toda imoralidade que ocorreu para fora, será pior do que as novelas da Globo.

Não se assustem nem se desiludam. O Brasil vai mudar.

Aguardem.

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo