Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Fim dos radares

11/04/2019

 

 

Nunca avistei, pessoalmente, o senador Fabiano Contarato. Garanto que ele não tem nenhum interesse em me conhecer e eu a ele. Deve ser um sábio excêntrico, inteligente, aliás, como todo político, depois que se elege. Passa a desconhecer até quem o elegeu.

Quem dirige automóvel, caminhões, motos, pelas rodovias brasileiras deve andar exultante com a decisão do presidente Jair Bolsonaro (garanto que estou radiante) em cancelar os contratos de instalação das chamadas barreiras eletrônicas nas estradas.

 

O problema, em sí, não são as barreiras, mas a estupidez de suas localizações e a exigência da velocidade, de 40, 50, 60 e 80 quilômetros, quando em ruas e avenidas das cidades os carros andam em alta velocidade.

Entende o presidente Jair Bolsonaro que, pela multiplicidade de radares nas rodovias federais, estaduais e municipais, eles se localizam com as características de pilhar o motorista desavisado, sendo sua finalidade multar, punir.

Se um motorista, amador ou profissional tiver a coragem de afirmar que é contra decisão do presidente da República, que os radares devam permanecer, acho que não estão no seu juízo perfeito. É uma estupidez a colocação de tais equipamentos. O motorista, descobrindo aquela “arapuca” no meio das árvores, ele busca passar ali na velocidade determinada, mas imprime o acelerador, para recuperar o tempo imposto pela redução de velocidade.

Você só constrói a grandeza de uma nação se educar o povo para o cumprimento da lei e da ordem. Uma nação se constrói com a educação de sua sociedade e não pilhando -a, nas estradas mal e porcamente construídas.

Olhemos nossas cidades, com mais de 100 mil habitantes, para ver como suas favelas se amontoam, uma seguida da outra, se bifurcando numa desorganização social vergonhosa, graça à incapacidade gerencial de nossas autoridades. Qualquer cidade brasileira, olhem para elas, para ver se tem conserto.

A impressão que tenho é a de que o sr. Contarato, que entrou e saiu rápido do Detran, do Espírito Santo, não entendeu que são necessárias campanhas educativas para ensinar pessoas para terem prudência, educação, respeito, principalmente aos transeuntes.

É direito do sr. Contarato buscar a justiça para contestar a decisão do presidente Bolsonaro em retirar os vergonhosos radares (redutores de velocidade) das nossas rodovias. Não digo que o senador capixaba devesse aplaudir a atitude do presidente, mas, prudentemente, ficar de bico calado. Caso contrário, aguentar o sr. Contarato 8 anos, vai ser meio difícil.

 

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo