Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Carnaval: A putaria coletiva

03/03/2020

 

Tem quem gosta de carnaval, de futebol, pescaria, de cultos religiosos e de putaria também. Carnaval sempre foi uma festa mais para depravados do que gente séria. O Brasil, lastimavelmente o “país do carnaval", daí esta merda em que vivemos.

Até pouco tempo o carnaval do Espírito Santo, notadamente Vitória, era um dos piores do Brasil. Não sei do porquê, cargas d’água, fizeram ali nas proximidades do bairro de Santo Antônio o “Sambão do povo”, um desses negócios de prefeito demagogo que, à falta de ideias, mais brilhantes entendeu que deveria criar aquele mostrengo para a realização dos carnavais da Ilha de Vitória.

Como a “Fábrica de Ideias”, o “Tancredão”, como vão ser as ciclovias do Luciano, tudo tem dado em nada, simplesmente porque não tiveram um planejamento, uma espécie de noção da viabilidade ou do objetivo do empreendimento.

Depois de passar anos e anos esquecido, depredado, abandonado à própria sorte, o tal do “Sambão do Povo” foi revitalizado mas, sua revitalização ou simples colocação para funcionamento tem servido para os desfiles de escolas de samba, promovidos pela Prefeitura, dentro do estilo populista do prefeito Luciano Rezende, nossa espécie de “estrela guia”...

Mais precisamente este ano, os desfiles de escolas de samba no “Sambão do Povo”, foram melhores do que dos anos anteriores, mas o chamado carnaval de rua, a ocupação do centro de Vitória por foliões dos mais variados pontos da Grande Vitória, se transformou numa grande putaria, com perdão da má palavra. Pelo menos, através dos comentários das redes sociais, chegaram as informações mais desastrosas, o que demonstra a mais absoluta desordem, a falta de respeito, a insegurança em que vivemos, graças à onda populista que estamos assistindo nas administrações públicas, onde as autoridades perderam completamente a noção do ridículo, se comportando na mais perfeita insensatez.

Tem quem goste de putaria. Lá isso tem! Mas é preciso entender-se que, de um modo geral, a maioria da população não aceita esse tipo de insulto à moralidade pública, sob o patrocínio oficial, que custeia suas presepadas com recursos públicos.

Ignorantes, as autoridades públicas, envaidecidas pelos aduladores, acham que estão fazendo um tremendo bem ao populacho, aos bandidos que aproveitam de situações como estas, de assaltantes, estupradores, bandos de imorais promovendo a mais completa libertinagem nas vias públicas, sob o patrocínio de quem? Dos nossos bolsos.

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo