Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Resta esperança.

22/03/2020

 

Embora o surgimento do coronavírus na “praça”, mina nas chamadas hostes políticas da Prefeitura Municipal de Vitória uma espécie brusca sórdida para inviabilizar a candidatura do vereador Mazinho dos Anjos à chefia da municipalidade da capital, por ser considerado o mais apto, administrativamente.

 

Pretende o vereador vir com um processo inovador de administrar o município, onde as autoridades atuais só pensam no processo arrecadador de impostos, para construir equipamentos luxuosos e inviáveis, como se a bicicleta fosse o veículo do transporte de massa do futuro, toda uma fantasia montada sobre a cobrança de imposto que está inviabilizando morar em Vitória, se não ocorrer um paradeiro na ânsia arrecadadora.

 

O vereador sempre defendeu uma política de desenvolvimento sustentável para o município de Vitória, com quase 100% de sua arrecadação montada nas atividades de comércio e prestação de serviços, sem qualquer vislumbre para o turismo, numa capital que conta como centros de atrações, o Shopping Vitória, o Centro Cultural SESC-Glória e as praias, destruídas pela poluição.

 

Esse tipo de comportamento do vereador Mazinho dos Anjos incomoda as velhas lideranças que, pouco têm a ver com a cidade ou pouca coisa possuem de útil para apresentar, como iniciativa no campo do desenvolvimento sustentável.

 

Pretende o vereador, declarado candidato à substituição do sr. Luciano Rezende, que vai buscar apoio, orientação, como estimular o desenvolvimento da capital, como transformá-la num polo de atrações e, para tanto, promete pensar alto, sem formular agora suas intenções para que a atual administração não atropele seus objetivos com fábricas de idéias que nada produzem, reclamando que a capital do Estado não tem mercado, um centro popular de compras que seja decente, reclamando do abandono  do velho e tradicional mercado da Vila Rubim e o mercado da Capixaba, deteriorado pelo esquecimento e das promessas vazias.

 

Em compensação, temos ciclovias onde não passam bicicletas.

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo