Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Esquecimento e crueldade

26/03/2020

Não precisa ser muito antigo, para reter na lembrança o Ginásio São Vicente de Paulo, na Cidade Alta, em Vitória, ao lado da mais importante Loja Maçônica do Estado, fundado em 1913 pelo professor Aristóbulo Barbosa Leão, o “Professor Tobinha”, como era carinhosamente chamado pelos alunos, passando por ali importantes vultos da história política, administrativa, da Justiça, medicina, etc.

Aristóbulo Barbosa Leão nasceu em 1887 no município da Serra e pertencia a uma das mais ilustres famílias de intelectuais do Estado, lecionando grego, latim, francês e português. Conheci, na intilidade o notável educador, que foi um dos grandes amigos do meu pai.

O velho Ginásio São Vicente de Paulo, pelo que se sabe, foi doado à prefeitura de Vitória que, na época, prontificou-se a preservar a obra, com objetivo de continuar servindo às novas gerações. Não deve ter imaginado, contudo, que tudo que cai nas mãos do poder público se transforma em merda. Embora se situe num dos lugares mais nobres da cidade, ao lado de uma das edificações mais antigas, a Loja Maçônica, sede do Grande Oriente no Estado do Espírito Santo, cerca de 300 metros do Palácio Anchieta, o Ginásio São Vicente se transformou num depósito de drogados, invadido, abandonado à própria sorte, como tantos edifícios públicos. É a marca registrada da irresponsabilidade, um verdadeiro aniquilamento ao sonho do Professor Tobinha e do seu irmão, Kosciuszko Barbosa Leão, também nasceu no município de Serra, em 12 de setembro de 1889, sendo emérito advogado e professor também do educandário.

A vida dos irmãos Barbosa Leão, com seu Ginásio São Vicente de Paulo é uma verdadeira epopéia de altruísmo, educação e da sublime arte de servir, o que faziam com dignidade e amor.

A “Transformação” do Ginásio em depósito de drogados, que construíram com tanto sacrifício, não se constitui apenas numa indignidade, é uma crueldade que se pratica contra a história, a cultura do Estado, uma lastimável falta de reconhecimento, de amor a quem tanto fez pela educação da nossa juventude.


Imprimir | Enviar para um amigo