Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



A desgraa mora ao lado.

03/05/2021

 

É coisa nova, não é do meu tempo de colégio esse negócio de “buraco negro”, “aquecimento global” e outros alarmismos criados de dentro da ONU- Organização das Nações Unidas – para amedrontar povos subdesenvolvidos, de um negócio que não vai acontecer nunca.

 

Admitem os estudiosos que o Universo tenha se formado, mediante uma monstruosa explosão, há mais ou menos seis milhões de anos. É tempo que não dá para medir.

 

Por outro lado, os primeiros seres humanos teriam surgido na África há cerca de cinco mil anos, ou seja, reconhecidamente somos todos descendentes de uma única matriz, que podemos denominar de Eva africana. Vários ensaios têm sido publicados sobre o desenvolvimento da humanidade e o grande pioneiro foi Charles Robert Darwin, com sua teoria da reprodução das espécies, combatido tenazmente por correntes religiosas, que defendem a teoria de que somos fruto de Adão e Eva...

 

Esse problema de aquecimento global foi montado dentro da ONU com objetivo de inibir nações, como o Brasil, a promoverem o desmatamento de suas florestas, colocando a nú toda sua fantástica riqueza mineral, “degradando” uma área nobre como a Amazônia que, daqui há 100 anos, caberá metade da humanidade, inclusive com uma riqueza incomensurável e áreas de plantio para abastecer o mundo.

 

Como compomos uma sociedade de “notáveis” ignorantes, não raciocinamos que os grandes poluidores da atmosfera são, primeiro, os vulcões, vindo depois os Estados Unidos, China, Índia, Alemanha, França e outras nações de grande desenvolvimento industrial e queima de combustíveis fósseis.

 

O professor José Carlos Azevedo, lamentavelmente já falecido e Luiz Carlos Molion, grandes estudiosos do aquecimento global, destroem todos argumentos dos “sábios” da ONU com os seguintes argumentos: “Como pode atribuir às emissões de gás carbônico (CO²), derivados do consumo de petróleo, gás ou carvão, o chamado efeito estufa, que seria responsável pelo aquecimento da Terra e das mudanças climáticas, se esse gás carbônico participa com apenas 0,039% da estrutura da atmosfera?

 

Em recente convenção promovida pela ONU, para discutir problemas climáticos os comunistas da ONU espremerem o presidente brasileiro, Jair Messias Bolsonaro, mas quebraram a cara. Ao invés de se encolher na sua cadeira com medo das pedradas dos ricos, da pressão moral irresistível para manter o Brasil pobre, como as nações africanas, Bolsonaro foi lá e deu o recado, mostrando quem polui, quem desmatou e quem hoje pouco estão ligando para suas regiões desérticas.

 

O mundo sempre foi redondo e sempre foi frio e quente, com alternâncias climáticas, como as recentes nevascas que cobriram toda a Europa, os Estados Unidos e Canadá, China, Japão, inclusive regiões da Espanha que nunca viram neve, ficaram cobertas.

 

O negócio é o poder do dinheiro, da ambição. Nações ricas e nações pobres; povo burros e povos inteligentes. Tem de tudo...

 

Se dirigirmos um olhar significativo para a África, vamos avaliar que a desgraça mora bem ao nosso lado.

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo