Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



O enterro da velha imprensa.

07/05/2021

 

Vamos penetrar numa espécie de caminho tortuoso, o desaparecimento da chamada “tradicional” e “grande” imprensa nacional, onde ainda sobrevivem 12 (uma dúzia) de pequenos, médios e grandes jornais e revistas.

 

Indo direto ao assunto. No período de 2015 a 2020 (junho), a queda de circulação dos chamados grandes periódicos, foi brutalmente significativa: Super. Notícia – 56%; o Estado de São Paulo – 41%, Globo – 53%; Folha de são Paulo – 61%; Zero Hora – 58%; Valor Econômico – 44%; Correio Braziliense – 52%; Estado de Minas – 77%; A Tarde – 60%; O Povo- 51%; Veja – 82% e; Época – 83%.

 

Os dados são oficiais, do IVC – Instituto Verificador de Circulações (- POPDER 360 -) dados levantados de dezembro de 2015 a junho de 2020.

 

Para o chamado leigo em assuntos de mídia impressa os dados podem ser irrelevantes, mas na verdade são estarrecedores. Não é só no Brasil que a velha imprensa escrita está morrendo. O avanço da tecnologia, das comunicações através das redes sociais, a queda de credibilidade das informações, do partidarismo político abraçado pelos periódicos, tudo isso está motivando o vertiginoso desaparecimento da mídia impressa e, pelo mesmo caminho está indo a mídia eletrônica (através da TV), também pela ausência de credibilidade.

 

Nos Estados Unidos, Europa, América Latina em Geral, a imprensa do chamado Velho Mundo foi afetada igualmente.

 

A queda mais acentuada da imprensa escrita e televisada também caiu brutalmente com a eleição de Donald Trump, para presidente dos Estados Unidos, quando ele usou das chamadas redes sociais, exclusivamente, para se eleger, seguido de Jair Messias Bolsonaro no Brasil. A base para o declínio foram, informações falsas, com relação aos levantamentos estatísticos de opinião pública. No caso da eleição de Jair Messias Bolsonaro no Brasil, as informações mentirosas a respeito do crescimento de sua candidatura mostraram o quase desaparecimento da mídia nacional, pela mais absoluta ausência de credibilidade.

 

Não existem meios e modos da mídia se recompor. Ela está morrendo.

 

 

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo