Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Á beira do abismo I

30/03/2020

 

Tem um desses “foguetes” que surgem nas redes sociais mostrando uma cristalina realidade: “O coronavírus vai matar mais CNPJ do que CPF”. É a pura realidade. Vejam que, apenas os bares da Grande Vitória já demitiram 13,5 empregados. Quantos serão demitidos nas demais atividade?

Ainda não se apercebeu com o necessário cuidado a tragédia que será montada com as presepadas políticas que estão sendo perpetradas às custas do coronavírus, esquecendo-se de que centenas morrem todos os dias de Aids, tuberculose, infecções pulmonares, câncer, viciados em drogas, abortos criminosos e, pior ainda, a mais vergonhosa falência do sistema de saúde, onde milhares de pessoas morrem pela carência hospitalar.

O coronavírus é um negócio bem novo, dizem que é assustador, pela rápida disseminação mas, e as outras mortes, de milhões e milhões em todo mundo?

Está certo, que existe uma tragédia na Itália, onde centenas de velhinhos, com saúde debilitada, muitos enfermos crônicos pelo uso continuado do tabaco, estão morrendo. As ruas de todas cidades brasileiras estão atulhadas (atulhadas mesmo) de viciados intoleráveis em crack, fruto de um “comércio” às escâncaras, na vista do sistema policial. Debaixo da marquise do Tribunal de Justiça, em Vitória, na cidade Alta, a 200 metros do Palácio Anchieta, onde fica o governador Renato Casagrande, numerosos viciado em variados tipos de drogas, no Ginásio São Vicente de Paulo, bem mais perto, tudo isso ocorre sem um mínimo de cuidado pelas autoridades sanitárias. Muito interessante...

Empresas comerciais, industriais, área de turismo, milhares de empreendedores, com seus negócios, desaparecerão porque ninguém suporta ficar de portas fechadas e pagar a maior carga tributária do mundo, o pior sistema burocrático do mundo. O custo de apagar um incêndio, por menor que seja, no Brasil (num galinheiro) custa uma fortuna, porque em qualquer país o sistema de bombeiros é composto por brigadas e corpo de voluntários que prestam serviço sem remuneração, como relevantes serviços sociais. Temos uma Justiça Trabalhista que é até uma piada, pelo custo para manter seu corpo de magistrados e auxiliares diversos, cerca de 18 (dezoito) bilhões por ano. Justiça Eleitoral, 418 empresas estatais e um sistema policial que precisa urgentemente de uma colossal reforma, pela tremenda desigualdade em que vivem os corpos de policiais, sendo urgente a criação de uma Polícia Nacional. Compomos a nação do funcionalismo público, sustentado pela maior carga tributária do Universo. Compomos uma nação de carnavalesco e, quando acordarmos, bem antes da quarta-feira de cinzas, vamos ver mais CNPJs desaparecerem dos computadores oficiais do que portadores de CPF levados ao crematório porque foram atingidos pelo maldito coronavírus.

Tem um negócio errado. Tá difícil consertar. O mundo não vai acabar, mas que estamos à vista de uma tragédia mundial, lá isso estamos.

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo

Chove dinheiro

29/03/2020

 

Você, caro leitor, já viu chover dinheiro? Não? Também não. Chove dinheiro no Palácio Anchieta, sede do governo do Espírito Santo. O governo Renato Casagrande, através da Secretária de Saúde contratou, sem licitação – Processo 2020 – LPL7, por um milhão de reais, publicidade, com a empresa M.P. Publicidade, para fazer propaganda contra o coronavírus.

O Deputado Lorenzo Pazolini (sem partido) apresentou indicação com objetivo de anular o pleito. As redes sociais caíram de pau sobre o governador, fazendo ilações desagradáveis sobre o assunto.

Não sei se num instante de intraduzíveis dificuldades sociais e econômicas, com uma tremenda onda de desemprego batendo nas portas de centenas de lares, se é hora de se contratar mais publicidade do que já existe, até as mais desencontradas possíveis, para divulgar o que, se não bastasse milhões de tolices que são produzidas pelas mais grotescas figuras sobre um assunto tão grave.

O governador Renato Casagrande, não sei à conta de quem ou de quantos, mandou fechar as fronteiras do Estado aos ônibus interestaduais, aos trens da Vitória a Minas mas, vacina contra gripe, anunciada, não chega aos postos de vacinação.

Raios, fecharam as praias ao banho de mar e dos raios de sol. Afinal, que vírus é esse que não suporta 10° (dez graus) centigrados e não gosta de água, e interditaram as praias.

Tenho um amigo, lá no Guarapari, que me falou ao telefone que o Estado, com essa gente no “comando”, virou de “ponta cabeça”, deve ser que inverteu os pés pela cabeça, o que já é um negócio de doido... Só da maluco...

Será que existe alguma preocupação do governador do Estado, com as milhares de organizações comerciais, industriais, prestadores de serviço e turismo fechadas? Será que o sr. Casagrande já imaginou, se essa tragédia demorar, o país vai à falência?

Estamos diante de uma grande catástrofe e todo dinheiro que poupar será pouco, para suportar os longos períodos de dificuldades. Pode até o governador, por circunstâncias que desconhecemos querer ser agradável ao coronavírus, divulgando sua ação. Pode ser. Esse pessoal é capaz de tudo. Até quando?

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo



« Recentes   2311 2310 2309 2308 2307 2306 2305 2304 2303 2302   Anteriores »