Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



O Estado insolente

11/05/2020

 

O empresário, de um modo geral, é um ingênuo. À falta de opção melhor, como ser funcionário público, político ou pertencer aos formidáveis quadros do Poder Judiciário (aqueles que podem tudo!), com grandes sacrifícios abrem seus negócios e, ao sabor da criatividade, de expertises também, vai driblando os entraves que lhe colocam à frente, como a maior carga tributária do mundo, os juros escorchantes e, como se não bastassem todas essas desgraças inventadas pela burocracia, socam às suas costas, hoje, 71 obrigações fiscais e parafiscais, precisando se “acasalar” com um contador, desde o dia que pensa em criar sua empresa até o dia que será sepultado... Descansa em paz, seu burro...

No Brasil, tudo é possível acontecer. Vejam que, vez por outra assentam nos cargos públicos mais importantes da nação, dos estados e municípios, os indivíduos mais espertos, mais desonestos da face da terra. Esses assaltantes, com uma lábia fenomenal, embrulhariam até Jesus Cristo, se à terra voltasse, tamanha a capacidade que possuem de enganar os mais tolos, os que se atrevem à arte da prosperidade da Nação.

Tenho dito: com essa corja que anda pelo poder no Brasil, não iremos para lugar algum, nem que o diabo queira, já que Deus até hoje não deu a necessária vergonha na cara a seus “seguidores”, a começar, pelo papa Francisco e terminando, com essa chusma de aventureiros que formam mais de 800 seitas diferentes no país, para assaltar, em nome de Deus, ou de Jesus Cristo...

Recentemente, desembarcou no país, tendo como procedência a China, um tal de coronavírus (vírus coroado, em espanhol), que foi batizado como o COVID-19, por ter surgido em 2019, fazendo um arraso em diversas nações, de cima frio ou temperado, mas encontrando poderosas barreiras, como na maioria dos estados brasileiros ou em países africanos, onde a miséria indômita aliada à fragilidade dos seres humanos não deram boa acolhida ao vírus chinês, pela ação do clima tropical.

Para se ter uma ideia, no mesmo período (de março até esta data), enquanto morreram nos Estados Unidos 70.970;  Itália 29.315; Espanha 25.613; França 25.531; as estatísticas (?) chinesas, terra do coronavírus, dizem que morreram 4.637 enquanto no Brasil os dados oficiais atestam que morreram 7.921 e, no Estado do Espírito Santo 133; onde o Governo Casagrande pode instalar o LOCKDOWN (bloqueio total, em inglês), para acabar de matar o empresário.

Essa pataqueira toda de prender as pessoas em casa, fechando comercio, botando o funcionalismo públicos para coçar o saco, mais do que já coçava antes, pode, com toda boa vontade, atenuar, mas quem tem deficiência imunológica crítica, tem maiores chances de contrair o vírus chinês, não adianta nada rezar. As máscaras ridículas, não o salvarão. Servem para, como na China, Japão, Coreia e outras nações de atmosfera altamente contaminadas pela poluição industrial, ser útil, mas não vai servir para deter o vírus, a não ser na cabeça dos que querem dar um golpe no presidente Jair Messias Bolsonaro, trancafiando a sociedade em casa e impondo ao comerciante bobo, mais exatamente, que feche seus negócios, vá à falência, para ajudar uma ideologia burra, escrota, de esquerda, a derrubar um presidente democraticamente eleito que, tem um grave pecado, não permitir que ninguém roube.

O que está acontecendo no Estado do Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia, Goiás e outros estados, é uma vergonha, contrapondo-se contra tudo de ruim que aí está o jovem governador de Minas Gerais, que não admite tal sacanagem. Tinha que ser Minas Gerais!

Estamos no Estado do Espírito Santo. O que o governador Renato Casagrande e seus auxiliares fazem com a população, notadamente o empresariado do comércio em geral, é uma desumanidade, um acinte, um desrespeito à consciência dos que, ao poder de um processo policial, têm que ficar de joelhos sob as ordens de um governante, como se estivéssemos numa grande senzala, impotentes, sob o domínio do medo, da ameaça, do tronco, da chibata.

Empurra esses bobos com a barriga, Casagrande, até que tempos melhores varram esta politicalha do Brasil. Fecha tudo!!! Quebre o empresariado. Os trouxas...

E ainda ameaça o povo com seu tal de LOCKDOWN (fecha tudo). Bolsonaro que se cuide e as Forças Armadas, não demora, ficarão de joelhos também. Só no Brasil...

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo

Refrescando a memória I

10/05/2020

 

Para suspensão das atividades econômicas (menos as de supermercados, farmácias e panificadoras) o governo Federal teve de tomar uma série de providências para socorrer a massa de desempregados, os chamados trabalhadores em atividades informais, donas de casa e desempregados, gerando um clima de tensão social que não se pode avaliar até onde chegará, se persistir a burrice imposta por governadores, que a suspensão do trabalho nas atividades econômicas e a proibição do funcionamento dos estabelecimentos de ensino, da própria circulação de pessoas nas vias públicas e até o banho de mar, irão provocar reflexos tão profundos na economia nacional, que nenhum estudiosos poderá dizer quando o país retornará à plena atividade, diante da teimosia de se tentar derrubar um governo constitucionalmente eleito, porque reside nos esquerdopatas uma mania de transformar o Brasil numa miserável Venezuela.

Mas, enquanto os governos estaduais querem até prender quem estiver circulando nas vias públicas, não esteja “mascarado”, para evitar contágio, às portas da Caixa Econômica Federal e das agências lotéricas formam imensas filas, grandes aglomerações para receber a ajuda de R$ 1.200 concedidos pelo Governo Federal em três parcelas iguais e sucessivas, até passar a “onda” do coronavírus.

Enquanto milhões de trabalhadores são demitidos dos seus empregos, os empresários de transporte coletivo entram na justiça para poder circular, trabalhar; o comércio ajoelha nos pés do sr. Casagrande implorando para abrir suas portas, o governo descarta qualquer tipo de redução salarial dos servidores públicos.

Formidável! Aquele que paga pesados impostos, adulam governos para poder trabalhar, demitem empregados pela mais absoluta falta de recursos para poder cumprir suas obrigações, não pode abrir seus negócios, tem que efetuar venda por telepatia ou criarem um mecanismo através da internet.

Sem o intuito de ofender quem quer que seja. Em que país estamos vivendo? Quem nos governa?

Estamos vivendo uma grande farsa política, montada no coronavírus, irresponsáveis pelos desmandos que estamos assistindo.

Quando elegeu Bolsonaro o povo deu uma demonstração de que não é besta. Estamos conscientes disso. Não vamos esquecer as próximas eleições.

É preciso avivar a memória, mesmo diante das tragédias sociais.

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo



« Recentes   2332 2331 2330 2329 2328 2327 2326 2325 2324 2323   Anteriores »