Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Santa vergonha

20/11/2017

NOTA– Você vai ler um comentário independente, sem enganos, sem mentiras. Se Você entender que não deva prosseguir com sua leitura, delete-o. Nunca suporte o que não gosta. Se não ler, vai perder a oportunidade de conhecer a verdade.

 

Nossa formidável mídia nacional, sempre complacente com certa gente que pilha a nação, da forma mais vergonhosa possível, outro dia trouxe a notícia de uma “pobre” desembargadora aposentada, servindo de ministra “não sei das quantas” desse governo fajuto que aí está, reclamando do seu salário miserável como ministra e queria receber o dobro com a acumulação de sua aposentadoria, estourando o chamado “teto”, que ninguém pode, no serviço público, perceber, além do presidente da República.

Essa “pobre” senhora, sem nenhum pejo, abalo de vergonha emocional, enfrentou a imprensa e sempre reclamando de sua “remuneração”, como se fosse um trabalho escravo.

Tenho plena convicção, absoluta, que não existe, além da formidável força da natureza, o que chamamos “Arquiteto do Universo”, nada de sobrenatural, um deus que tudo vê, porque se visse, essa gente que anda pilhando o Estado, sequestrando, matando impiedosamente, estuprando, não existiria. Desde que fui adquirindo a consciência da inteligência emocional, das coisas que aconteciam no meu entorno, da minha família, das aberrações que se sucediam, da tortura da pobreza enervante ou da sabedoria dos ladrões, assassinos, religiosos devassos, como dizia meu pai, parei para pensar e, interiormente exclamei: “esse Deus não pode existir. É uma crença burra, sua existência. Meu pai tem razão!

O dinheiro não é a maldição do mundo. A maldição do mundo é a impunidade, são as leis mal feitas, o esbulho que se pratica com elas, a incapacidade de se fabricar homens de verdade para consertar as coisas que estão erradas. Vejam, raros governantes que o país teve nessa sua curta história republicana, merecem respeito. Somos tão incapazes de ver as coisas, de entender a passividades das nossas justiças, dos homens que as fazem, que nos acomodamos, permitimos que assaltem os cofres públicos, tratem com o mais vergonhoso desprezo nosso dinheiro pilhado, abandonando-o ao meio de uma sala de apartamento vazio, como se fosse lixo. Foram 51 milhões, não foram 51 mil reais ou uma simples nota de 50 reais...

Aparece um tal Jair Bolsonaro, que diz que vai pôr fim a essas desgraças todas. A mídia salta sobre ele como se fosse um cão danado, que se trata de uma extremado direitista, um novo Hitler que está surgindo, mas não faz alusão a ele como fosse um novo Fidel Castro, um Stalin, um Mao tse Tung, um Pool Poot, um bandido africano no poder de sua republiqueta vagabunda, que manda matar os inimigos políticos, um Mulumba da vida torta, etc. Morte ao Bolsonaro. Viva ao Lula, ao Temer, a Dilma e outros pilhadores das nossas magras fortunas...

Falta-nos educação, coragem para lutar, civismo.



Imprimir | Enviar para um amigo

O ano que vem...

19/11/2017

NOTA– Você vai ler um comentário independente, sem enganos, sem mentiras. Se Você entender que não deva prosseguir com sua leitura, delete-o. Nunca suporte o que não gosta. Se não ler, vai perder a oportunidade de conhecer a verdade.

 

Pelo andar da carroça (!), a previsão é a de que o ano de 2018 seja de grandes acontecimentos no campo político, inclusive com pesadas manifestações de chamados grupos de direita e de esquerda.

Hoje, presentemente, a chamada turma de esquerda que anda mamando no poder, se arma de paus e pedras contra o candidato que parece assombrar o mundo da mediocridade política nacional, o sr. Bolsonaro que, a olhos vistos, vem conquistando um número de adeptos (ferrenhos), o que se via apenas por parte do PT.

A coisa está mudando e Jair Bolsonaro está fazendo frente a essa gente que está se descabelando, por sentir que pode vir uma forma maior, mais destemia, para tomar conta do Brasil.

Tudo no Brasil começa depois do carnaval. Vamos aguardar os acontecimentos que ocorrerão certamente após o carnaval. Acredito, sejam as eleições mais agitadas da história recente do Brasil. Primeiro, vai surgir um movimento para mudar o sistema de votação. O grupo de apoio ao candidato Bolsonaro não admite que não possa existir um sistema de votação paralelo à urna eletrônica, sob a desconfiança de fraude, já que foi constado que ele é passível de ser fraudada. Se a Justiça Eleitoral impedir que um sistema paralelo fiscalizador seja montado, com cédulas colocadas nas urnas pelos eleitores, vai dar confusão e pode ocorrer uma intervenção que irá complicar a vida nacional e não sabemos para onde caminhará o Brasil, principalmente se deixarem Lula se candidato, o que a oposição não irá admitir em hipótese alguma.

O Brasil está numa encruzilhada, com sua classe política passando por momentos de mais completa desmoralização. O povo brasileiro, de forma generalizada, não está aceitando mais o político atual. Na verdade, eles nem mais vão as ruas, andar de forma desapercebida, porque, se um o descobre, e abre a boca para vaiar, todo mundo acompanha. Nas suas andanças pelo Nordeste, onde reinava, Lula tem sido escorraçado dos restaurantes e aeroportos, porque todos sabem que ele foi um audaz enganador, ludibriou a boa fé pública!

Fatores importantes, no campo politico, irão trazer sérios problemas, principalmente no campo social, podendo até atrapalhar a realização das eleições, o que não deixará de ser um fato grave.

Os desdobramentos da situação política nacional é que irão dizer como as coisas se desenrolarão. Se não acontecer nada na vida política nacional em 2018, para mim será uma grande surpresa, um negócio até mesmo inacreditável, pelo que vem acontecendo, como amostra, nas redes sociais.

O Brasil precisa mudar. Parece que está chegando a vez.

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo



« Recentes   1880 1879 1878 1877 1876 1875 1874 1873 1872 1871   Anteriores »