Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Macaco de feira

02/03/2020

 

Foi comum, num passado distante, pelo interior do Nordeste, alguns feirantes, como em Caruaru, Pernambuco, para divertimento dos visitantes, utilizarem um macaco, domesticado, para atrair os passantes, devido as estripulias praticadas pelo símio, sempre agitado e, alguns mais descarados, extrovertidos, se masturbavam, roubavam dos passantes que se aproximavam, até que, com o surgimento dos ambientalistas, protetores dos animais e até dos “direitos humanos da bicharada”, viram os macacos substituídos pelos bonecos de ventríloquos, palhaços diversos, como forma de atrair compradores, provocar ajuntamentos.

Como apreciador dessas feiras, na antiga Gurigica ou até mesmo da Praia do Canto, na ilha de Vitória, sempre dava uma espiada nos ajuntamentos que ocorriam, com seus “mágicos” ou vendedores de “remédios” que curavam tudo, até “dor de cotovelo”.

Hoje, nos tempos modernos, os símios foram substituídos por tipos como Lula (Luiz Inácio Lula da Silva), ex presidente da República, pelas mais estúpidas razões de nação subdesenvolvida que, de tanto andar trepado num avião, distribuindo empréstimos do BNDES com países governados por ditadores africanos, até sulamericanos, acabou preso num cubículo da Polícia Federal em Curitiba, Paraná, ouvindo das cercanias meia dúzia de adeptos da “melhor qualidade”, aos berros, gritar: “Lula, eu te amo”; “Lula, boa noite”. Lula, Bom dia”. “Lula Livre”, e um monte mais de tolices, que levaram alguns amigos seus, do Supremo Tribunal Federal, relaxarem sua prisão, até que uma quarta instância o condene. Precisa?

Lula solto, como um macaco de feira, fora da coleira que o prendia, passou a ser um chato de galochas, perambulando por aí, sendo apupado pelas massas de: “Lula ladrão, seu lugar é na prisão”, fazendo até com que ministros que o soltaram sejam apupados com os epítetos mais diversos, mais vergonhosos, num atestado eloquente de que a nação vai muito mal das pernas, mesmo que, com um governante impetuoso, corajoso, determinado, fala mais do que devia, como nosso Jair Messias Bolsonaro, o terror dos oposicionistas, que se intitulam de socialista, sem nem saber seu significado, tais violadores de cofres públicos, está sendo o terror para essa gente de mal caráter, até para uma tal de imprensa que, roendo uma beira de penico, nos seus estertores pré falimentar, tenta desmoralizar seus algoz Bolsonaro, esquecendo-se de que a Nação, cada dia que passa, mais o admira, por ter fechado as portas dos cofres públicos e jogando as chaves fora...

Lula, com toda sua arrogância foi bater às portas dos pedófilos do Vaticano, buscar a sagração do papa (vermelho, argentino) Francisco, sob a idéia imbecil de que, a benção papal irá remover os epítetos de ladrão, que o consagram como o mais esperto e ladino dos presidentes que governaram o país.

A Santa Sé passou a ser peregrinação de corruptos, ladrões, dos mais diversos calibres, talvez, quem sabe, tentando ganhar uma canonização, através do papa vermelho.

A que ponto chegamos...

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo

Adesões curiosas.

01/03/2020

 

É verdade, o presidente Jair Messias Bolsonaro fala muito, mais do que deve mas, interessante, tem quem gosta dos seus arroubos esquisitos, até de sua “banana” pública, para perguntadores inconvenientes mas, a grande e grave preocupação das esquerdas nacionais são com relação à penetração do presidente nas áreas do Norte e Nordeste, como os recentes acenos ao governo por parte dos governadores Ruy Costa, do PT baiano e Flávio Dino, do PCdoB do Maranhão, podendo atrapalhar a estratégia da oposição nas próximas eleições.

 

Quem guia o político é o povo. Norte e Nordeste, principalmente, conhece séculos de procedimentos indecentes por parte de um coronelismo aproveitador, que sempre desejou ver a região na miséria para poder “vender” suas influências. Quando mais atrasado for o povo, mas suscetível ao engano, ao aproveitamento. Vem isso através dos tempos. A região tem progredido graças à impetuosidade da livre iniciativa. O Maranhão, por exemplo é uma tragédia, sob o império da família Sarney que, faz pouco, foi desbancada pelo comunista Flávio Dino, que agora se embandeira todo para os lados do presidente Jair Messias Bolsonaro. Pode  entender que hoje, no Palácio do Planalto, tem uma turma inteligente que quer, a todo custo, tirar o pais da miséria, do subdesenvolvimento, da política de ladrões, de aproveitadores da pior espécie.

 

Examinando o caso do Piauí, uma das regiões mais sofridas do território brasileiro, sem nenhuma cultura agropecuária , hoje desponta no país com grandes produções de cereais. Como, numa região de clima inclemente, tórrido, se prestou para tantos tipos de cultivos, de uma impressionante fronteira agrícola, atraindo até empreendedores rurais do Espírito Santo, do Sul do país. É uma maravilha.

 

Os chamados interesses políticos são os piores da cultura de um povo. Político nenhum, com raras exceções, merece confiança, respeito, pelo que dizem. Ordinariamente, não merecem confiança, credibilidade pelo que dizem, pelo que prometem.

 

Naturalmente que, dentro do novo conceito brasileiro de política, de mandar para o “pau de araras” os ladrões, o  Brasil depois do Lava Jato e da eleição de Jair Messias Bolsonaro está mudando e vai mudar muito mais.

 

Botemos de lado o esperneio dos oposicionistas de ocasião, dos chamados socialistas que nem sabem o que seja socialismos, vamos mudar os congressistas mais improdutivos e imorais da face da terra. Vamos mudar o Brasil. Vamos desenvolver Norte e Nordeste, para que sejam regiões prósperas como o resto do país, dando-lhes as obras essenciais, canais para irrigar suas terras. Bolsonaro está chegando lá.

 

Em matéria de política e de políticos, é bom acreditar, desconfiando... Eles são capazes de tudo. Vejam o Congresso Nacional neste exato momento. Faz vergonha.

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo



« Recentes   2297 2296 2295 2294 2293 2292 2291 2290 2289 2288   Anteriores »