Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Exercícios da mediocridade

20/01/2018

NOTA– Você vai ler um comentário independente, sem enganos, sem mentiras. Se Você entender que não deva prosseguir com sua leitura, delete-o. Nunca suporte o que não gosta. Se não ler, vai perder a oportunidade de conhecer a verdade.

 

Não é de agora, já faz tempo, assistimos no Brasil o que se pode chamar de exercício da mediocridade, onde assistimos serem galgado às posições mais importantes da Nação, dos estados e municípios as personalidades mais desqualificadas, mais inconsequentes e desonestas nas funções importantes que ocupam.

Meu pai dizia que a coisa mais importantes, mais sublime da existência do ser humano eram: sua mãe, a pátria onde nasceu, a família, a Bandeira e o Hino pátrios, o resto era por consequência.

No curso da nossa história política os que vão para os cargos públicos, sem nenhuma competência, o fazem pelos interesses pessoais mais mesquinhos, mais ordinários. No caso da Educação, destroem-na sem um pingo de escrúpulos, numa maluquice sem fim. Outro dia, aqui no Espírito Santo uma autoridade dizia que nas nossas escolas públicas os alunos iriam estudar mandarim, a língua oficial chinesa. Raios, o sujeito sai da escola sem saber nada de português; 72% da sociedade sofre de microcefalia, não sabe explicar o que leu em dez linhas de um livro de simples história ou de uma notícia num jornal, vai aprender mandarim para dizer que, quando o chinês dominar o mundo pelo menos saberá manda-lo à merda, com seu comunismo inconsequente...

Quando nasce, o brasileiro precisa ir para a escola, ser bem alimentado com nutrientes essenciais à saúde (vitaminas, sais minerais) para poder ter uma boa memória, para aprender um bom português, as operações aritméticas, moral e civismo, para aprender votar em político decente, responsável.

As vezes reclamava com amigos antigos do meu São Mateus, a terra onde nasci, pela eleição sucessiva, por quatro vezes, de um tipo chamado de Amocim Leite. Eleger Lula uma vez, vá lá. Duas, com possibilidade de terceira, é uma estupidez. Agora mesmo a justiça eleitoral, numa espécie de masturbação sem fim, espicha e encolhe na decisão de tirar um tal de Açaí, eleito prefeito da minha terra, por ter distribuído água com a população com objetivo de se eleger prefeito. Saímos de um Amadeu Boroto, empresário responsável, um Ruy Baromeu para regredir de forma lastimável, ao invés de avançar sempre, em busca do desenvolvimento social e econômico, diante da incapacidade do raciocínio lógico, no exercício sem fim da mediocridade.

Com essa gente medíocre no poder, com esse tremendo desrespeito ao país em que nasceu, à família, aos princípios básicos de moral e civismo, iremos descambar, inevitavelmente, para uma africanização, pela involução social, gerando tragédias e mais tragédias. É uma pena... É triste ouvir: “Volta Lula...”

 


Imprimir | Enviar para um amigo

Tristes exemplos

19/01/2018

NOTA– Você vai ler um comentário independente, sem enganos, sem mentiras. Se Você entender que não deva prosseguir com sua leitura, delete-o. Nunca suporte o que não gosta. Se não ler, vai perder a oportunidade de conhecer a verdade.

Sinceramente, não tenho nenhuma preocupação, pena, até, com o estado em que vive os povos da Venezuela, Cuba ou qualquer país sujeito às maluquices dos comunistas que tomam o poder. Casos como da Bolívia são vergonhosos e o povo bem que merecem Evo Morales da Vida, um Nicolás Maduro e outros trapalhões.

Quando uma nação, há 50 anos uma potência em desenvolvimento social e econômico, se transforma num trapo ao sabor das ideias malucas de Hugo cháves e, para completar, de um boçal como Maduro, não merecem pena, compaixão.

Efrain e Franqui Flores, sobrinhos da primeira – dama da Venezuela, Cilia Flores, e do presidente Nicolás Maduro, foram condenados por um tribunal de Manhattan, Estados Unidos, a 18 anos de prisão, por tráfico de drogas. Franqui, de 31 anos Efrain, de 30, foram presos no Haiti, em novembro de 2015, ao tentar entrar nos Estados Unidos com 800 quilos de cocaína. Ano passado, Maduro questionou a prisão: “O imperialismo criou um caso que tem como único objetivo atacar a mulher do presidente. Vocês acreditam que seja coincidência?”

Bancos de Andorra e da Suiça foram utilizados pelo menos cinco anos pela cúpula do então presidente Húgo Chávez (1999-2013) para desviar mais de US$ 2 bilhões da Venezuela, segundo o jornal espanhol El País. O dinheiro vinha de subornos pagos em troca de contratos entre empresas estrangeiras e a PDVSA, a estatal de petróleo do país.

Os dados revelados pelo jornal espanhol e confirmados pelo Estado de São Paulo indicam que o Banco Privado de Andorra, também envolvido em pagamento de suborno da Odebrecht, foi o canal utilizado para parte do pagamento. Dali, o dinheiro seguia para a Suíça. A investigação que dura dois anos, agora permite refazer o caminho do dinheiro.

É bom lembrar que Odebrecht, a poderosa empresa brasileira, está espalhada pelo mundo em negociatas graças a quem? Ao bispo, ao papa? A quem? Vocês imaginam o que fazia Lula entra ano e sai ano do seu mandato trepado num avião adquirido com nosso dinheiro?

É preciso ter paciência para suportar tanta vergonha, tanta corrupção, tanta falta de caráter, tudo de que que se possa imaginar uma sociedade seja capaz de suportar, se ela não tiver discernimento para repelir tais audaciosos.

As tragédias do Brasil, as imoralidades públicas, caminham pelo mundo nos envergonhando.

Ainda querem Lula de volta.

 


Imprimir | Enviar para um amigo



« Recentes   1910 1909 1908 1907 1906 1905 1904 1903 1902 1901   Anteriores »