Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Chuva de medocres.

27/10/2021

 

Tudo pode acontecer, mas tem coisas impossíveis que acontecem na vida política nacional, como todos contra a eleição de Jair Messias Bolsonaro, até as urnas eletrônicas...

 

O mundo político nacional de esquerda, mais o imenso grupo de corruptos, entraram em “parafuso”, sem saber como agir e, como forma extrema, arranjaram um sujeito, se dizendo maluco, o tal do Bispo, para aplicar uma facada no candidato Bolsonaro, que quase morreu, mas inventaram uma história de que o próprio candidato “contratou” o Bispo para esfaqueá-lo. Incrível!

 

Não teve jeito. Bolsonaro foi eleito apenas prometendo não deixar que roubem mais os cofres públicos e realizando obras prometidas que não começavam ou não acabavam nunca, transformando-se num mito, meio maluco, falando mais do que deve, mas, inquestionavelmente sério, para desgraça dos corruptos.

 

Os que se elegeram para Governo dos Estados, deputados federais e senadores, acometidos por um mal chamado em política de “mosca azul” foram se bandeando para os lados das esquerdas, vendo culminar um dos processos judiciais mais imorais, infames, até, com a soltura do ex-presidente Lula, embora seu julgamento, confirmado pela Suprema Corte, junto com seus 71 companheiros, julgados pelo juiz Sérgio Moro, foram soltos, absolvidos, como se todos fossem bons moços, honestos, incorruptíveis, que jamais deveriam ter sido julgados e condenados pelos crimes que cometeram.

 

Ao meio de uma chusma de ladrões levados às barras dos tribunais, surgiram empresários e empresas envolvidos nos mais vergonhosos processos de corrupção, passando ”Odebrecht” a significar, internacionalmente, como organização corruptora.

 

Depois de uma lavagem de dinheiro público da ordem de três trilhões de reais (em 13 anos), o dinheiro pilhado, com pequena parte devolvida, apreendido até no exterior, a política e a Justiça nacionais viraram de pernas para o ar. Misturaram os que sobravam de sofríveis, com imprestáveis, até que surgiu a pandemia sob o comando do coronavirus, com o Supremo Tribunal (quem diria) determinando que o “comando” do controle sanitário da nação ficasse nas mãos dos governadores. Foi a avacalhação da patifaria. Não se sabe ainda onde iremos chegar. Há prenúncio, com o caso de governadores envolvidos, como se donos fossem dos recursos públicos, de irem para a cadeia (?).

 

Começou assim, com fartura de dinheiro destinado por Paulo Guedes, ministro da Economia, para combater o coronavirus, a farra para destruir o Governo Bolsonaro, com as traições de Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, David Alcolumbre (o saltitante) presidente do Senado, as diabruras do Mandetta, ministro da Saúde, e a descoberta dos impossíveis comprometimentos do ministro (de Juiz do Lava Jato) da Justiça Sérgio Moro, embrulhado nos inquéritos que promoveu, para se promover.

 

A penca de candidatos apresentados de forma antecipada para disputar ano que vem a presidência da República, deu uma lista encabeçada pelo facínora Lula, surgiram e caíram os nomes mais impossíveis da política, surgindo agora o presidente do senado, Rodrigo Pacheco, que saiu do DEM e se filiou ao PSD e, sem surpresa, Sérgio Moro que vai se filiar ao Podemos, dia 10.11, para concorrer à presidência da República.

 

Bolsonaro continua a fazer estragos na política nacional. Vai acabar concorrendo sozinho a sua reeleição. Não vai dar outra. O homem é, realmente, um mito!

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo

Duas coisas.

26/10/2021

 

O grande e grave problema da humanidade sempre foi e será a falta de educação e a fome. Cultivar a terra é preciso ter coragem, vocação para lidar com os imprevistos da natureza e suportar o “atravessador”!

 

Tem sido objetivo dos governos, a partir de Getúlio Vargas, com a implantação da Usina Siderúrgica de Volta Redonda, que o Brasil passaria da chamada fase de “país agrícola” para “potência industrial”. Que besteira!

 

Tudo no Brasil se resume em siglas, cabides de empregos, corrupção e problemas sociais.

 

O Brasil foi um dos maiores (e ainda é) produtores de café do mundo. A Alemanha é o maior entreposto de café do mundo, sem ter um pé de café plantado no seu território. Detém o mercado de café mundial.

 

Paraná, São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul são detentores das maiores fronteiras agrícolas do mundo, mesmo com as criminosas intervenções do MST, empurradas pelo PT e CUT, com objetivo de comunizar o Brasil. Poderíamos ser os líderes, se tivéssemos governo decente.

 

O Brasil tem regiões capazes de produzir três safras anuais de milho, soja, feijão, batata, arroz, girassol, amendoins e uma série de outros alimentos por ano, devido suas regiões ensolaradas. Não produzimos arroz, milho, feijão, cebola, alho, etc., para o consumo próprio.

 

Japão, Estados Unidos, Canadá, Rússia, Alemanha, possuem sistemas de armazenamento, controle de produção, zoneamento agrícola, financiamento da produção e política de fixação das famílias em propriedades agrícolas que, interessante, os comunistas do Brasil reclamam que o subsidio em tais países “desestimula” a produção agrícola Nacional.

 

Nós, mais velhos, sabemos que imoralidade foram o IBC –Instituto Brasileiro do Café e seus penduricalhos!

 

Sudene, Sudan, Sudeco, Sudesul, etc., e outros formidáveis cabides, como 80 empresas estatais serviram e servem ainda de pasto para Lula e seus companheiros presos. Que quadrilha...!

 

Tivemos também o IAA – Instituto do Álcool e do Açúcar. Tudo antro de safados. Podem dar certas autarquias? Empresas Estatais?

 

Trava-se uma batalha indecente sobre o valor dos combustíveis nas bombas. Os governadores (menos o de Minas Gerais) não querem baixar o ICMS, lutam pesadamente, para que o Brasil não tenha energia solar, carro elétrico, produção agrícola abundantemente; liberdade de mercado, fim das empresas estatais e gostam de andar de calças apertada e sapatos de salto alto, e são eleitos por um povo burro, que depois os apedreja.

 

Faço um trato, pelo que me resta de vida. Com carta branca total, dois anos para acertar a vida pública brasileira.

 

No final, sairia de fininho e ia assistir a felicidade de um povo que merece coisa melhor, mas precisa ser educado, para repelir ladrões, bandidos, políticos corruptos

 

Sei que não vai acontecer, mas ainda está em tempo. Querem apostar?

 

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo



« Recentes   2599 2598 2597 2596 2595 2594 2593 2592 2591 2590   Anteriores »