Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Alvo errado I

31/10/2017

NOTA – Você vai ler um comentário independente, sem enganos, sem mentiras. Se Você entender que não deva prosseguir com sua leitura, delete-o. Nunca suporte o que não gosta. Se não ler, vai perder a oportunidade de conhecer a verdade.

 

Com o acidente que vitimou jovens músicos de Domingos Martins, a ECO-101, empresa que ganhou a concessão para reformar a BR-101, surgiu no rol das desconfianças de pessoas que, sem nada o que fazer, que não gostam de apurar nada, se lançam com pedras e paus às mãos para atingir a concessionária sem avaliar o porque ela não desenvolve com eficiência os trabalhos contratados.

 

Voltando atrás, em várias ocasiões, em manifestações públicas diversas, exclusivamente por má administração governamental, manifestantes pegam carona na desordem pública e depredam pedágios, saqueiam lojas, bancos, investem contra os poderes constituídos como se essas atitudes pudessem resolver situações, mais graves do que imaginam.


A Eco-101, que ganhou a concorrência para administrar a BR-101 assinou contrato mediante promessa de que o BNDES, o Banco que investe no desenvolvimento nacional, concedesse empréstimos para realizar obras. O Grupo não tem banco, precisa de apoio financeiro do governo, assume responsabilidade para realizar obras de benfeitorias, ampliações diversas remodelação e, no bojo disso tudo estão a cobrança do pedágio e concessão de empréstimos para que possa realizar obras. É um contrato de risco enorme, que exige responsabilidade do consórcio formado.


Essas pessoas que vão para as ruas depredar o que encontram pela frente, querendo mudar o sistema político nacional com bravatas, não tem competência para avaliar que, as coisas no Brasil não andam, não avançam porque os sabidos, os donos da verdade, do “mundo”, querem o poder de qualquer maneira. O que aconteceu na Petrobras, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, BNDES, a roubalheira desenfreada, o acúmulo de dinheiro nas malas, em buracos da parede, em contas bancárias no exterior, assalto ao poder, tudo isso tem sido feito como uma espécie de domínio das massas ignorantes com doação de migalhas.


Esse pessoal que quer acabar com pedágio, denunciar contrato de exploração de rodovias, pontes, e outros empreendimentos públicos, sem honrar o que foi, assinado pelos governantes, são de uma irresponsabilidade gritante, desmoralizam o governo e pregam uma nova ordem que não é a da democracia.

 

 

Infelizmente estamos vivendo um período difícil da vida nacional, onde assaltaram o poder com objetivo de mudar o sistema político, o que deve ser rechaçado por todos nós.

 

 

Se tem um grande responsável nas tragédias que ocorrem nas rodovias nacionais, chama-se governo, que está com olhos presos em butins e esquece de suas responsabilidades de administrador.

 

 

FONTE: JORNAL A GAZETA

 

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo

Arte e pornografia

30/10/2017

NOTA– Você vai ler um comentário independente, sem enganos, sem mentiras. Se Você entender que não deva prosseguir com sua leitura, delete-o. Nunca suporte o que não gosta. Se não ler, vai perder a oportunidade de conhecer a verdade.

 

Sobre preservação de imóvel antigos, na cidade de Vitória, o mais competente prefeito quer por aqui passou, o engenheiro Chrisógono Teixeira da Cruz, certa feita declarou que os preservacionistas não sabiam o que queriam, confundiam coisa antiga com coisa velha e, no seu entender, vários prédios (uma meia dúzia) mereciam ser preservados. O dia que o Banco Hipotecário e Agrícola de Minas Gerais, que se situava em frente ao Teatro Glória, hoje Centro Cultural do SESC, foi demolido para dar lugar a outro prédio, o então prefeito Chrisógono ficou encantado com o espaço vazio, a enormidade da praça Costa Pereira, desapropriou o terreno.

Chrisógono estava absolutamente certo. Quem tem prédio antigo (ou velho?) em Vitória não se arrisca a concertá-lo, porque não consegue vencer a burocracia. Cada órgão que empurra o Brasil para o atraso, o buraco, quer que o velho prédio tenha acesso para deficiente, provador de roupas para diferentes pessoas, elevador, refeitório para dois empregados, proteção ao meio ambiente, coisas tão absurdas que faz com que a Ilha de Vitória seja esta merda que aí está, com milhares de casas dependuradas nas bordas dos morros, onde nenhum tipo de fiscalização vai, e se for, apanha...

O Brasil assiste a uma verdadeira esculhambação. Quem, conscientemente, acredita no Brasil? Nas suas autoridades?

Existe na mídia uma forte campanha contra a TV Globo. Dizem que é da parte dos evangélicos, que querem impedir a mais importante estação de TV do Brasil prosseguir com suas novelas de estilo erótico, propagação de famílias desajustadas, viciados, drogados, putas, cornos, o que pode influenciar na formação da juventude. Particularmente, eu acho que a TV Globo representa um perigo para a sociedade brasileira. Tem quem não ache, mas cada qual deve pensar de acordo com suas conveniências...

Essa intolerância contra a TV Globo veio junto com a apresentação de mostras culturais no Rio Grande do Sul e São Paulo, onde o nú não era explorado como artístico, mas como uma demonstração estúpida de falta de pudor, de educação. Tem nú e tem nú. É preciso diferenciar uma coisa da outra, para não perturbar a formação da juventude, se bem que a nossa juventude está num caminho sem volta por culpa do excesso de liberdade.

O deputado capixaba, Euclério Sampaio (PDT), apresentou projeto de lei nº 383/2017, aprovado, que retira da autonomia dos pais ou responsáveis para determinar se os filhos teriam ou não maturidade para comparecer a estes espetáculos culturais considerados “impróprios”.

Os “artistas” estão desancando o projeto do deputado Euclério Sampaio, porque interfere no que chamam “expressão cultural”, se é que esse monte de porcaria que vem sendo exibida por aí pode ser chamada de arte.

O que está faltando mesmo é educação para a vida.

 

O deputado está certo. 

 


Imprimir | Enviar para um amigo



« Recentes   1870 1869 1868 1867 1866 1865 1864 1863 1862 1861   Anteriores »