Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



De ruim a péssimo.

23/08/2018

 

Hoje, falar e escrever precisa ter cuidado. Aparece de lá, alguém meio idiota, meio boçal para dizer que você está dizendo ou escrevendo é racismo, homofobia, um amontoado de tolices que as vezes encontra ressonância por parte de certo tipo de imprensa ( e até de justiça).

 

O quadro político nacional é profundamente pobre de homens, mulheres e de idéias. De ideal, essa turma tem como objetivo, a meu ver, ficar eternamente na política, sugando...

 

Outro dia, quando se fechou o quadro político capixaba (o nacional não fica atrás), passamos a contar nos dedos os candidatos e seus respectivos vices. Por que vice?

 

Tem cada candidato deslustrado de conhecimentos que, vou te contar! Onde vai parar essa tal de democracia, com tanta falta de gente?

 

Um amigo, de Vila Velha, tradicional “canela verde”, reparava na roda que um município tão importante se fixava na família Max como se ali só existisse ela e a população ficava sem perspectiva de desenvolvimento, muito embora tivesse muito mais campo para expandir do que os demais da Grande Vitória.

 

Nosso Governador Paulo Hartung, contrariado com a vida pública, naturalmente com a baixa representatividade, o exercício da traição, a pressão dos que só querem emprego, cargos, sem a necessária competência, fizeram-no desistir da recandidatura que, no meio da baixa qualidade de concorrentes, ficar à margem, soa um tanto ou quanto melhor.

 

Dizem quer o candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro, vai colocar a mão na cabeça do candidato a governador, Carlos Manatoque, aliás, apresenta o melhor candidato a vice, sem desfazer dos demais que, por estarem vivos, merecem votar e serem votados...

 

Todo mundo pergunta: em quem votar? Quem é novo na política, quem nunca foi eleito para nada, nenhum cargo eletivo? É um negócio muito raro, um cara notoriamente inteligente, que nunca tenha sido eleito para nenhum cargo eletivo e possa ser experimentado no comando de um Estado, da Nação, de um município.

 

Como os demais, o Espírito Santo não tem dinheiro para promover grandes projetos de infraestrutura para seu desenvolvimento. A monstruosa carga tributária, a indefinição do quadro econômico, o empreguismo irresponsável, em funções vitalícias, tudo isso vai criar um problema sério no Brasil.

 

Na situação que está, não pode continuar. Vamos ver o Brasil que Temer vai largar nas mãos de Bolsonaro. Vamos aguardar.

 


Imprimir | Enviar para um amigo

Perturbação econômica.

22/08/2018

 

Há, no momento nacional, um problema grave com a economia do país. Não há dinheiro e, pasmem, continuam roubando. Não tem jeito. A cada dia que passa, numa sucessão incrível, novos roubos são descobertos, novos engravatados se apossam de recursos públicos e não tem Lava-Jato que dê jeito.

 

Tenho dito sempre que o problema mais grave do Brasil, de sua sociedade, não é político, é da Justiça. Com um Código de Processo Penal, frouxo, um amontoado imbecil de varas onde os processos caminham lentamente anos e anos e, ao final, acabam perdendo a validade por decurso de prazo, a não ser a poder de suborno, nada pode andar direito.

 

Tenho sido acoimado de revolucionário, idiota, nazista, uma porção de coisas mais, porque entendo que o país vai explodir numa guerra civil, com muitas mortes, para poder, depois, seguir seu rumo mas, lamentavelmente, essa tal de “guerra civil” não tem prazo para começar, apenas um dia ela terá que ocorrer, para quem estiver vivo.

 

Não podemos permitir que a idiotice latino-americana faça com que o Brasil se transforme numa republiqueta sob o comando de um socialismo “marca barbante” da pior qualidade. O quadro político nacional é ruim, meio ordinário. De dentro da prisão um sujeito se candidata à presidência da República, diz que foi preso por perseguição política e, se não permitirem, “as elites” que seja candidato, promover uma revolução e, aí, aqui para nós, o que vai dar para mim e muita gente assistir o começo de uma nova nação, livre de muitos pilantras, refinados vigaristas que, fingindo-se de bons moços, partem para a criminalidade que para pilhar o Estado, sem nenhum escrúpulo.

 

Não sei para quem apelar, mas acho que deveríamos construir uma rede de comunicações sociais para induzir o eleitorado para votar em candidato que nunca foi eleito para cargo nenhum, numa espécie de loteria política, para ver se seremos premiados com uma figura nova, sem estar conveniado com um bando de crápulas, que destroem a nação.

 

Vejo que tem muita gente dizendo que vai votar nulo. Não cometam tal asneira. Vamos escolher, não será difícil escolher, quem nunca se elegeu, que tem capacidade e poderá fazer muito mais, pelo menos não estar acostumado a roubar, já é um negócio novo, importante, pode render bons frutos.

 

O negócio é aguardar os acontecimentos, aquele momento político que tanto atrasa esta nação, seu desenvolvimento, sua educação, as eleições sem critério.

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo



« Recentes   2018 2017 2016 2015 2014 2013 2012 2011 2010 2009   Anteriores »