Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Piores e melhores

18/08/2018

 

 

Não sei o que é pior no Brasil: ser eleitor, ter que votar numa corja de desalmados, tremendamente indecentes, ou ser político. Como escolher melhores candidatos com o sistema eleitoral que temos? Quem vai (como vai) desmontar essa cínica máquina eleitoreira que possuímos?

Desde 1985, quando os militares que assumiram o poder em 1964 (com Castelo Branco, o mais sério governante que esta nação já teve em toda sua história), saíram largando este rebotalho que aí está. Na história política nacional surgiram casos extravagantes com o Partido dos Trabalhadores, que chegou ao Palácio do Planalto com Luiz Inácio Lula da Silva que, teve como coroamento, sua prisão por 12 anos e um mês, por corrupção. Mas o PT de Lula, o dono da sigla, foi um desastre no comando nacional mas, mesmo diante do quadro mais desavergonhado da nossa história política, seus seguidores e até mesmo os maiores grupos de jornalistas do país, os chamados “intelectuais” de botequins e empresários oportunistas e corruptos, continuam incensando Lula, com pesquisas mentirosas, dando-lhe uma preferência eleitoral que é de fazer vergonha.

Quem, de sã consciência, votaria num partido que ostentasse o seguinte quadro, preso? Governo do PT: presidente da Petrobras, preso; presidente dos Correios, preso; presidente do Banco do Brasil, preso; presidente da Eletrobrás, preso; presidente da Nuclebras, preso;  presidente da Vale, preso; presidente da Caixa Econômica Federal, preso; presidente do BNDES, preso; presidente do PT (3) presos; secretários do PT (5) presos; tesoureiros do PT (3) presos; líder do governo na Câmara, preso; líder do governo no Senado, preso; Lula, o chefão, preso.

Será que, pelo mundo, por aí, existe país de política imoral como a nossa? Sejamos sinceros, com nós mesmos, existem condições de ver esta situação toda que está aí, podre, melhorar?

Estamos ao meio de uma situação que vale a pena refletir. Seria melhor uma intervenção militar, colocar essas coisas todas nos seus devidos lugares ou deixa tudo pra lá, para ver onde vai dar?

No momento em que surgem 14 candidatos à presidente da República, cada qual com seu modo de pensar e sem muito o que transmitir, surgem apenas dois nomes que merecem reflexão: o candidato Jair Bolsonaro (PSL) que promete “consertar” o Brasil da destruição que governantes inescrupulosos promoveram, e o engenheiro João Amoêdo (NOVO), os que parece mais voltados para os elevados interesses nacionais.

Se realmente a hora for de renovação, esses dois candidatos devem merecer a preferência do eleitorado. Chega de experiência...

 


Imprimir | Enviar para um amigo

O triunfo das nulidades

17/08/2018

 

Escrevi aqui, recente, que no plano nacional, 14 candidatos disputam a presidência da República. Cada qual, a seu modo, um pior do que o outro, a começar por Luiz Inácio Lula da Silva, preso, condenado a 12 anos de prisão, por falcatruas, quando presidente, tem como seu vice Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo, uma nulidade, como o chefe, mas pode ser candidato à presidente, caso Lula não possa disputar (é o Plano B de Lula e do PT).

A lista segue com o senador Álvaro Dias (Podemos), tendo como vice o ilustre desconhecido Paulo R. de Castro (PSC). Seguindo, vem Cabo Daciolo (Patriota), tendo como vice Suélen Balduino (Patriota). Ciro Gomes, tendo como vice Kátia Abreu (ambos do PDT), um páreo duro de roer. Geraldo Alckmin (PSDB), tendo como vice a senadora Ana Amélia (PP), uma mulher de respeito mas, nem assim se elegerão. Guilherme Boulos (Psol), tendo como vice Sônia Guajajara (Psol).Henrique Meirelles (MDB), tendo como vice Germano Rigotto (MDB). João Goulart Filho (PPL), como vice, Léo Alves (PPL). José Maria Eymael (PSDC), como vice, Hélvio Costa (PSDC). Manuela D’Avila (PCdoB), como vice, Adilson Araújo (PCdoB). Marina Silva (Rede), como vice, Eduardo Jorge, PV. Vera Lucia (PSTU), como vice, Hertz Dias (PSTU). Jair Bolsonaro (PSL), como vice, general Hamilton Mourão (PRTB). Por último, João Amoêdo (Novo), como vice, Christian Lohbauer (NOVO).

De novo mesmo, que merecem ser votados, Jair Bolsonaro e João Amoêdo. O resto, se constitui em nulidades. Fazem parte das nulidades nacionais.

Já aqui, no nosso plano estadual, outro dia disse que só um terremoto poderia destruir a eleição do ex-governador Renato Casagrande. Parece que o candidato fabricou um terremoto dentro do seu quintal, talvez imaginando que esteja realmente eleito. Em recente reunião, para atrair os desastrados sem terra, sem teto, CUT e outros desesperados, arranjou como candidata a vice, Jaqueline Moraes (PSB), ex –camelô, foi vereadora em Cariacica e tem 42 anos. Está certo, em matéria de mais ou menos, não há nada como hora veja... Mas o sr. Renato Casagrande deveria imaginar que o mundo é redondo e tudo pode acontecer. Se ele morrer ou deixar o governo pelo meio, como a ex-vereadora Jaqueline Moraes irá substituí-lo? Ele pode até dizer que Lula era analfabeto de pai e mãe e acabou preso por corrupção. E daí?

O quadro nacional, como o capixaba, é meio carnavalesco e me faz lembrar de Ruy Barbosa, na sua Oração aos Moços: “De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto”.

 


Imprimir | Enviar para um amigo



« Recentes   2015 2014 2013 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006   Anteriores »