Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Esqueceram de enterrar...

20/12/2018

 

Lula morreu, esqueceram de enterrá-lo. Politicamente, Lula não é mais nada e o tempo dirá, com a percepção das coisas que vão surgir, que o Brasil precisa mudar, pelo menos é o que está parecendo desde que Bolsonaro foi eleito presidente, para muita coisa ir se desmanchando antes mesmo da data que ele irá assumir, primeiro de janeiro próximo.

Agora mesmo, como uma espécie de últimos estertores pela morte política de Lula, Dilma, Gleici, Lindemberg Faria e outros desajuizados, saíram pelas ruas, na proximidade onde ele está preso, na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, para lastimarem da impossibilidade de visitar o defunto político.

Politicamente falando, o que aconteceu com Lula tem acontecido com muita gente que alcança o poder, iludindo a boa fé alheia, como nunca tiveram infância, oportunidade de ter os brinquedos que queriam, chegam à porta da morte se divertindo às custas de aviões, iates, fazendas, sítios, apartamentos a beira mar, puteiros diversos, como se a vida se resumisse em patifarias.

Vejam que, eleito presidente da República, Lula reuniu um plantel de criminosos da pior espécie no seu entorno. De incompetentes a criminosos vulgares, seus ministros formaram quadrilhas de assaltantes e, estranho, o “professor” Lula nunca soube de nada, nunca viu nada, nem mesmo alertado por supostos amigos, como dizia ele, que queriam mamar, também, mas não podiam. Afinal, preso, pela posse de um sítio que dizia não ser dele, Lula teve como grande algoz seu mais próximo amigo, o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, o que talvez levará Lula à sepultura de verdade, sem poder ser mais nada, no que lhe restar de vida.

Essa peregrinação aos portais da Polícia Federal, em Curitiba, é uma espécie de determinação ao último esforço de tentativa de buscar sensibilizar autoridades, a sociedade como um todo, para um preso que cometeu atos ilícitos, crimes diversos e tem que cumprir pena.

Todos que buscam defender Lula, possuem culpa no cartório, estão à beira de condenação, mas cedo ou mais tarde. O Brasil não pode se transformar em antro de aproveitadores, bandidos os mais audazes que, assaltaram o poder e tomaram a República de assalto.

Sejamos decentes com nós mesmos, a turma que quer ver essa canalha toda na cadeia. Quem salvou o Brasil mais uma vez, com toda franqueza, foi a classe militar, as nossas Forças Armadas, o último bastião da credibilidade nacional.

Não adianta querer ressuscitar Lula politicamente. Vamos permitir que ele assista a recuperação moral, política e econômica da nação que ele e sua turma quase destruíram.

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo

A voz do Garcia

19/12/2018

 

O jornalista Alexandre Garcia (não sei como ele anda na Globo), vez por outra nos brinda com suas crônicas, onde retrata o cotidiano do pais e, ressaltamos, está entre os mais credenciados periodista, pela sua honradez, sem rodeios e sem mistérios.

Outro dia a imprensa, do outro lado da Globo, principalmente as chamadas redes sociais, dava ampla publicidade a uma fala do jornalista global sobre alguns aspectos políticos da vida nacional, interessante como registro para a história.

Dizia o sr. Alexandre Garcia no seu comentário:

“Bom dia

O neto do ex-embaixador, ex-Ministro, Roberto Campos Neto, vai ser presidente do Banco Central. Isso foi noticiado semana passada, mais no fim da semana passada. O que eu queria ressaltar é o seguinte. Interessante que eu li nos jornais, eu dizendo que foi uma duvidosa surpresa, Roberto Campos Neto na presidência do Banco Central, a duvidosa surpresa foi comemorada na bolsa que subiu 3% por causa disso. Interessante.

Eu também leio no jornal que a guerra comercial entre Trump e a China iria prejudicar muito nossas exportações. E aí a gente pega os números e vê que as exportações brasileiras estão no melhor nível dos últimos cinco anos. Eu não sei o que é que está acontecendo.

Também foi muito criticado nos jornais, o novo Ministro de relações exteriores. Ernesto Araújo. Interessante, quando José Serra se tornou chanceler no mesmo cargo, não houve nenhuma crítica. Ele foi o sujeito que causou né, foi pior discurso, prometeu revolução Comunistas no dia 13 de Março de 64, ninguém falou nada.

O Aloísio Mendes Ferreira Filho, que hoje é o ministro das Relações Exteriores, era motorista do autor da cartilha da Guerrilha Urbana, Carlos Marighella. E o Celso Amorim o homem do Celaya, que abrigou o Celaya, o presidente deposto pelo Parlamento e pela Suprema Corte lá na América Central, fez da Embaixada do Brasil um diretório político, foi um vexame. E o Celso Amorim ainda hoje está falando mal do Brasil aí. E foi ministro de Relações Exteriores E foi ministro da Defesa também. E no tempo do governo militar ele era presidente da EmbraFilme. É bom a gente lembrar essas coisas, sempre as memórias são sempre uma espécie de antídoto para algumas coisas que a gente lê no noticiário.

 

O adversário de Bolsonaro foi derrotado no segundo turno. Fernando Haddad declarou 39.200.000,00 de gastos de campanha e perdeu. E tá devendo 3.800.000,00. O PT está devendo. Bolsonaro que ganhou, gastou dois milhões e meio, e sobraram 2 milhões mais ou menos isso.

Por falar nisso Haddad foi um dos que mais visitou Lula nesses seis meses, a estatística mostra que houve 572 visitas nesses 6 meses, dá uma média de três visitas por dia. A maior parte foram os advogados de Lula, depois do candidato Haddad, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann e o tesoureiro do PT, basicamente isso.

Eu queria falar um pouquinho sobre a prisão perpetua por um jovem brasileiro, que matou um casal de tios e duas criancinhas, filhas desses tios na Espanha, de um e de quatro anos. Foi submetido a júri popular. Ele esquartejou as vítimas, pôs em sacos plásticos e pela internet se divertia com isso, mandando mensagens. Ele não teve pena de morte, porque ela foi abolida em 1978 na Espanha. Era o garrote, lembram? Pois é. Ele não oferecia, nos autos, mostra que ele não oferecia perigo, a não ser a própria família. Mas foi dada punição a ele para servir de exemplo. Nos países civilizados a punição serve de exemplo, de modelo, para dissuadir aqueles que estejam mal intencionados.

De Brasília, Alexandre Garcia. ”

Alexandre Garcia conta as histórias do cotidiano nacional, que as vezes nos envergonham.

Acorda Brasil!

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo



« Recentes   2078 2077 2076 2075 2074 2073 2072 2071 2070 2069   Anteriores »