Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



O reino do populismo

01/07/2020

 

Depois que a chamada mais Alta Corte de Justiça da Nação entrou em descrédito, pela ação de alguns de seus ministros, que não podem comparecer a atos públicos, para não serem massacrados pela população que os insulta com palavras torpes, pelas ousadas e criminosas decisões que cometem, alguns até de forma monocrática e, pasmem, acatadas pelos seus pares, o que se podia chamar de justiça, de Supremo Tribunal, acabou. Foi pro espaço...

Com esse desarranjo do sistema judiciário nacional, onde a função precípua da Suprema Corte, que era dirimir as arguições de inconstitucionalidade, foram para os desvãos das gavetas dos chamados “cemitérios de processos”, onde dormem os assuntos mais bizarros do acinte à Constituição, sem um exame rápido, iminente, não permitindo que a burrice do legislador, apoiada pela incapacidade governamental que sanciona as maiores aberrações, com o intuito de fazer política ou de imaginar que seja o dono da verdade ou de ensandecido ditador.

Agora mesmo a Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo aprovou projeto de lei de autoria do deputado Enivaldo dos Anjos que determina a redução de 30% nas mensalidades escolares privadas, no período de pandemia e, estranho, o governador sancionou a estultice e o Procon, que deve ter lá suas sábias obrigações, está notificando as escolas que terão que cumprir o calendário escolar, dentro das determinações do Ministério da Educação. Quem paga a conta dessa loucura toda? Será que a Assembléia não tem um corpo de assessores jurídicos para analisar essas maluquices, ou o Governo do Estado não tem um Consultor, uma pessoa isenta, decente, para analisar as questões aberrantes? Agora, o deputado apresenta outro projeto que obriga as casas que vendem fogos de artifício a ter o endereço, CPF, carteira de identidade, título de eleitor, atestado de bons antecedentes, sei lá mais o que, para vender fogos, sob a ótica vesga de que os traficantes avisam no alto dos morros, soltando foguetes para anunciar a usuário e distribuidores que a droga chegou.

Em outra tirada do deputado, os condomínios serão obrigados a notificar agressões às mulheres. Que transferência de responsabilidade é essa? Onde estamos? O sindico virou o que?

As escolas particulares, se quiserem se livrar de uma aberração, terão que recorrer à justiça(?) que, não se sabe quando, poderá solucionar a estupidez inconstitucional.

O deputado ainda é dos Anjos. Já pensaram se fosse de outras figuras?

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo

Os supermercadista

30/06/2020

 

Quando entramos num supermercado para fazer nossas compras, não avaliamos que estão arrumados nas suas gôndolas (prateleiras), em ordem absolutamente cronológica, setor por setor, com suas indicações precisas, limpeza absoluta, até cerca de 72 mil itens diferentes, fruto da capacidade empresarial em buscar, através de todos os meios e modos, agradar o comprador, promover a concorrência. Quem anda pelo exterior só vai encontrar supermercados fantásticos, como no Brasil, nos Estados Unidos ou em Portugal. Não é que nos outros países não sejam bons, mas em arrumação, preço, limpeza, ordem, somos campeões. Os supermercados estrangeiros, que aprecem aqui não chegam aos pés dos nacionais.

O Brasil não tem uma chamada indústria de ponta, de alta tecnologia, não fabricamos um mísero chips para um bobo brinquedo eletrônico. Somos grandes montadores (MONTADORES) de automóveis. Não temos fábrica de automóveis. Os que produzimos, comprando peças e acessórios nos mais longínquos pontos do mundo, como Indonésia, China, Índia, até Paquistão, custa o que dizem, os olhos da cara e, daí, com os impostos absurdos e juros imorais, produzimos tudo o que consumimos por três vezes mais caro do que nossos vizinhos e não produzimos, suficiente para o consumo da população, uma fileira de produtos essenciais como: alho mais barato do mundo, importado da China, o feijão mexicano, e por aí vai, pela incapacidade gerencial da nossa classe política. Não temos dirigentes capazes, não sabem como planta abóboras!

A referência que faço aos supermercados e aos supermercadistas, como aos comerciários que ali trabalham, num dos sistemas comerciais mais bem organizados do mundo é porque nossos governantes, fartos em promessas que não cumprem, jamais avaliam a estupidez que cometem, esfolando o bolso da sociedade que paga os maiores impostos do mundo, impedindo que faça suas compras ordeiramente, sem a burrice da limitação do horário de funcionamento, do espaço, se de dia ou à noite.

Faço parte do grupo de idiotas seletos, que formam o conjunto de investidores, que possuem a ousadia de sair espalhando lojas de departamento pelo país e são acoimados (vejam só a tragédia) pela classe dirigente, de ladrões. Quem são os ladrões?

O sujeito quando nasce, a primeira coisa que almeja, quando lhe assalta a vontade de ser rico, é ser funcionário público e, os loucos, doidos varridos, serem empreendedores, construir, ter negócios, comprar e vender, fazer circular a riqueza da nação, suportar os insaciáveis e gananciosos políticos, os administradores analfabetos e devassos em tudo. Almejam ganhar dinheiro, querem ver a grandeza da nação.

Outro dia entrei com um amigo num supermercado novo, no município vizinho à nossa capital, Cariacica. Parei na porta e tive apenas vontade de fazer uma observação: É louco. Ainda é chamado de ladrão.  

Não sou religioso. Jamais serei. Minha inteligência não permite tal ilusão, além de adorar minha mãe a minha santa, mas, pelo amor que vocês devem ter às suas mães, também, parém de enganar, de roubar, de mentir. Deixem quem goste de trabalhar, trabalhe, progrida, viver em paz, sem máscaras, sem peias, sem grilhões.

Liberdade até para morrer.

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo



« Recentes   2358 2357 2356 2355 2354 2353 2352 2351 2350 2349   Anteriores »