Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



As desilusões da vida.

10/09/2020

 

Quando meu pai me “empurrava” para ir embora para a Espanha, sob o argumento de que o Brasil seria sempre esta grande merda, manobrada por uma chusma de imbecís, graças à índole de um povo de inteligência curta, leis e homens imorais, achava que era um tanto, preconceituoso o raciocínio do meu velho e querido Mesquita Neto. Nunca encontrei um sujeito mais inteligente do que ele. Estava absolutamente certo!

 

Sou, de longas datas, amigo do ministro Ernane Galvêas, a quem reputo um dos economistas mais brilhantes e lúcidos do Brasil, tendo pontificado como ministro da Fazenda no chamado Governo do Movimento Militar, onde se exigia honestidade e competência para o exercício de cargos públicos.

 

Recente, mandei um trabalho para o amigo Galvêas e, posteriormente, estive com ele, em seu escritório no Rio de Janeiro, quando ele me surpreendeu com um pedido de informação: “Li seu trabalho. Nunca tive a curiosidade de ver, agrupadas, em ordem cronológica, as 70 obrigações fiscais e parafiscais existentes no Brasil. Você tem razão.  A nação não pode prosperar com tamanhas estultices. Me explica, como conseguiu agrupar essas coisas todas? ”

 

Eu, sem favor algum, não conheço um economista brasileiro mais inteligente, mais preparado do que Ernane Galvêas. Temos, recente, pensado na sutileza do presidente Jair Messias Bolsonaro, em conseguir um ministro como Paulo Guedes, impertinentemente, corajoso, perspicaz e inteligente, para enfrentar a malta de políticos imorais existente no Congresso Nacional que, teimosamente, “trabalham” para destruir a nação, ignorando, por burrice e má fé, que tudo aqui custa três vezes mais caro do que em qualquer lugar do mundo. Como, o ministro Paulo Guedes, como um galo ganize enfezado, pode convencer pelotões de trogloditas analfabetos que o Brasil precisa mudar, que uma quadrilha de formidáveis ladrões dos cofres públicos quase destruiu o país, não com instinto de transformá-lo num regime socialista, porque esses imbecís não avaliam o que seja um regime socialista, composto de ladrões, como aconteceu na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, onde suas maiores lideranças, quando o comunismo foi extinto em 1989, após  a ocorrência de uma pequena manifestação na cidade  de Tbilisi , na Geórgia, ocorrendo depois, a queda do Muro de Berlim e a desocupação da Alemanha pelas tropas soviéticas, sob o “argumento” de 380 bilhões de dólares, pagos à vista pelo Chanceler da RDA, Helmut Kohl (da CDU) , tido como “segundo pai da Alemanha”, depois de Otto Von Bismark que, em 1864, após  tornar-se Chanceler, promoveu a unificação da grande nação, vindo no pós Guerra (1945), a figura de Helmut Kohl, Chanceler da República Federal da Alemanha, para comprar dos russos ,a desocupação das suas forças da Alemanha, para reunifica-la, totalmente quebrados, devido seu programa nuclear e de exploração do espaço, consumir toda sua riqueza, até a venda total dos depósitos em ouro, no mercado livre mundial.

 

Quando assisto, seguidamente, no poder do meu país, com suas imensas riquezas naturais, ser governado por Sarney, Collor de Mello, Fernando Henrique, Lula, Dilma, Temer e até o infeliz Jânio Quadros e um Congresso composto de refinados “piratas”, digo cá com meus botões e compartilhado com o ministro Ernane Galvêas: Não tem jeito! Estamos atolados até o pescoço na merda e não tem Bolsonaro, Guedes e os melhores ministros que o país está tendo nos seus últimos 35 anos, e contar ainda com a mais alta corte de Justiça, pela maioria dos seus membros, tripudiando sobre a nação, composta de oligofrênicos, reconheço, não existe solução à vista, a não ser pelo longo exercício do voto, por um povo sem competência para votar, ou pelo caminho mais curto, embora mais traumático, com um golpe militar, onde deverá morrer muita gente. Talvez menos do que a tragédia promovida pelo coronavirus....

 

Mas, tem coisas piores do que o trilionário assalto aos cofres púbicos praticados pela classe política?

 

E as mortes por hepatite, problemas coronários, insuficiências respiratórias, renais, tuberculose, sífilis, etc., que matou quase o triplo do coronavirus?

 

 

 

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo

Apenas comparações.

09/09/2020

 

A mente humana é um negócio esquisito, as vezes perspicaz, inteligente. As vezes amolecada. Nós, brasileiros, com raras exceções, inclusive eu, jamais irá largar o Brasil para morar, trabalhar, nos Estados Unidos. Já me imaginei ir para a Espanha ou até para o afável Uruguai. Não é porque a América não me seduza, mas porque uma frase do então presidente Monroe, não pode estimular quem tem vergonha na cara, não ama onde nasceu. “A América, para os americanos”, comprando um imenso território no chamado Vale da Pimenta, na África, para denomina-lo de Libéria (o que significa liberdade) para devolver os negros americanos para seu lugar de origem, vendo até, em sua homenagem, darem o nome à capital do novo território de Monróvia (terra de Monroe, em sua homenagem). Meus sentimentos dizem que você deve morar num lugar, num país, onde você não se sinta intruso, desagradável e até indesejável.

 

Dentro da minha capacidade de trabalho, do que me pagam para realizar, tenho feito o que posso pelo Espírito Santo, principalmente nos campos da Educação, da Saúde e do turismo. Como bom filho ou descendente de ibéricos, tenho pavor de ser fotografado, de dar entrevista, de participar de “ajuntamentos” sociais. Às vezes, uns amigos me forçam a comparecer em seus convescotes (pequenos agrupamentos sociais, festinhas), que meu pai chamava de ajuntamento da hipocrisia. Às vezes, na hora de botar o terno e gravata, desisto!

 

Um vereador, lá do meu São Mateus, me fez uma visita com um objetivo, pedir meus “dados biográficos” para me dar um título de “Mateense ausente”. Agradeci, dizendo de pronto que não o fizesse, porque eu não compareceria, por dois motivos: primeiro porque não era mateense ausente; segundo, porque o que construí em São Mateus, foi por entender que a comunidade merecia. Fui pago para realizar as obras, ali. Fim de papo...

 

O que destrói certas pessoas é um negócio maldito, chamado de inveja. Você não pode ver seu vizinho prosperar, não imagina o duro que ele está dando para vencer, num país que tem 71 obrigações fiscais e parafiscais; paga os maiores impostos do mundo, os maiores juros, a justiça mais cara, morosa e inútil e administradores públicos, onde raros se salvam, e a maioria é composta de pretensos sábios, refinados ladrões e analfabetos,

 

Pela idade, pelo que já fiz, tenho certeza que cheguei onde quis, onde minhas pernas deram. Quem administra os negócios da família é o filho mais novo, Franz Mendonça, que tem mais pendores para os negócios, é o mais perspicaz, tem ideia de futuro, fruto da juventude. Felizmente, meus filhos não deram para político, talvez por ter vergonha de pedir voto, para depois trair os sentimentos dos que votam por interesses, daí a merda que a nação vive, pela monstruosa cornucópia do favoritismo oficial, onde o empresário, o que promove o desenvolvimento da nação, é tido como ladrão, sonegador, porque tem que enfrentar coisas como Justiça do Trabalho, o mais perverso sistema fiscalizador, onde um fiscal, um imbecil, inventa que o degrau da escada do seu estabelecimento está um centímetro mais alto do que determina uma tal de ergometria, para obriga-lo a desmanchar toda escada, para te dar prejuízo, como se essa desgraça alheia lhe desse uma satisfação  íntima, uma auréola de autoridade, de poder.

 

Podem se queixar dos americanos, até do carrancudo Monroe, com sua história da “América para os americanos”, mas se quiserem conhecer uma nação onde a justiça é exercida em sua plenitude absoluta e TODOS são iguais perante as leis, se puderem, vão para os Estados Unidos da América, para cumprir ali o que se chama de império de Lei e de ordem.

 

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo



« Recentes   2393 2392 2391 2390 2389 2388 2387 2386 2385 2384   Anteriores »