Ver Histórico



Procurar




  


Newsletter

Nome
  
E-mail
  




Links



Artifícios comunistas

04/05/2018

Querem transformar um político preso, por corrupção, em preso político. Daí vai uma diferença muito grande.

Raras pessoas conhecem a manha comunista. Esse pessoal que anda encostado nas proximidades da Polícia Federal, em Curitiba, “velando” a prisão de Lula, como se ele fosse um grande sujeito, um luminar da democracia, um injustiçado, está ali, preso, por trinta dinheiros e um pão com mortadela pela manhã e outro pela tarde, muito embora o PT tenha montanhas de dinheiro para alimentar um bando de aproveitadores nos melhores hotéis do Paraná.

Toda essa encenação, faz parte de um jogo para o personagem que julgamos criminoso, sem escrúpulos, fique em evidência. Já houve caso de tiros em ônibus da caravana Lula, já teve tiros no acampamento, já ocorreram visitas inesperadas à carceragem da Polícia Federal de “ilustres” figuras da esquerda, que toparam com a inflexibilidade da PF, o que não deveria surpreender ninguém, mas utilizaram como uma espécie de chantagem no noticiário, apenas como pano de amostra para o exterior, para dizer aos da esquerda de lá que Lula é um preso político, quando na verdade ele não passa de um político preso, com alto grau de periculosidade...

Agora, como propaganda, os participantes do “acampamento” defronte a Policia Federal, em Curitiba, inventaram a moda de carimbar o dinheiro em circulação: “Lula Livre”, apenas como fórmula de fazer circular a informação que eles querem. Agora mesmo, por exemplo, o Banco Central acaba de informar que as notas carimbadas perdem o valor de circulação e seus portadores serão responsabilizados. Em outras palavras, quem tiver dinheiro carimbado com a cara de Lula ou de outra forma qualquer, fica sabendo que a nota está fora de circulação, não vale mais como dinheiro sonante. Pode até servir para coleção dos petistas, cutistas e outros seguidores da malandragem.

O sr. Lula é um preso comum, como todos políticos que andam espalhados pelas penitenciárias. Aliás, essa gente que roubou de forma escandalosa deveria estar misturada com presos comuns, ladrões, estupradores, assaltantes, criminosos os mais diversos. O que essa gente política sem um mínimo de escrúpulos é melhor do que os bandidos?

Pelo menos, de uma coisa estamos certos. Temos mais vergonha da classe política presa do que dos próprios bandidos, que também não têm muita coisa que reclamar.

O Brasil está precisando mudar, de forma dura e desagradável, para essa gente.

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo

Indecentes arbitrários

03/05/2018

Tudo é possível. Ou por bem, ou por mal, devemos guardar esperanças, que um dia, o povo se encha de vergonha, vá para as ruas ou para as urnas com o objetivo exclusivo de buscar um caminho novo para o Brasil.

 

Tenho sido meio insistente em afirmar que o Brasil, com a Justiça que tem (a começar pelo Supremo Tribunal), a generalizada classe política e a incapacidade de discernimento de 70% da sociedade, jamais irá para frente, a não ser que surja um líder capaz de obter uma espécie de aval da sociedade, para mudar o país.

 

Há uma espécie de um complô, dentro dos sistemas políticos e judiciários para liquidar com o processo Lava-Jato, sob a direção do magistrado federal Sérgio Moro. Existe um grande receio que esse formidável brasileiro se transforme numa espécie de salvador da nação. Tudo tem sido feito para diminuir a autoridade do magistrado, tirar-lhe autonomia sobre alguns processos, como agora, recente, sobre as delações de dirigentes da Odebrecht, como as demais envolvidas, uma das empresas mais sórdidas em operação no Brasil, capaz de tudo, para obter dinheiro, sobre sei lá, condições, para diminuir a pressão, ou até tirar Lula da prisão.

 

Quem vier amanhã, imposto pela força do povo ou das Forças Armadas, terá que desmontar o país, recriando-o. O Brasil não pode ter um dos mais perversos sistemas burocráticos do mundo; o Brasil não merece custear a existência de uma classe dirigente perversa que veio para o poder para pilhá-lo. O chamado Sistema Financeiro é uma indecência. Eu lamento profundamente, mas não dá para acreditar no que um presidente da República diz, um simples vereador, nenhum político. Todos estão imbuídos do desejo realmente ardente de resolver seus problemas, dos familiares. O declínio econômico que se abateu sobre o país, a partir de 2013 até a presente data, quando desapareceram perto de 14 milhões de empregos, um quarto do empresariado fechou seus estabelecimentos, é uma tragédia sem limites, inacreditável, mesmo...A perversidade do sistema bancário é intolerável.

 

O único mercado que está funcionando no Brasil, embora modestamente, é o de alimentos. O declínio em todas atividades econômicas, fora da agroindústria e do mercado de alimentos é um milagre, embora a insensibilidade governamental, com sua mania de espoliar o povo com a cobrança maldita de impostos os mais variados, taxas e emolumentos absurdos, como se não tivessem nenhuma responsabilidade com o desenvolvimento, com o bem-estar coletivo.

 

O problema é que essa gente de maus bofes está no poder e ela abomina a ideia de que a sociedade precisa ser educada, inteligente.

 

 


Imprimir | Enviar para um amigo



« Recentes   1962 1961 1960 1959 1958 1957 1956 1955 1954 1953   Anteriores »